Casey Affleck já não é só o irmão mais novo de Ben

Conheça os nomeados para Óscar de Melhor Ator. Começamos com Casey Affleck, de 41 anos, protagonista de "Manchester By The Sea"

É a primeira vez que Casey Affleck está nomeado para o Óscar de Melhor Ator, mas não é a primeira vez que está nomeado para um Óscar: em 2008 esteve na corrida para Melhor Ator Secundário, pelo filme O Assassínio de Jesse James Pelo Cobarde Robert Ford, de Andrew Dominic, em que contracenava com Brad Pitt. Nesse ano, entre outros prémios, esteve ainda nomeado para o Globo de Ouro. Mas a estatueta acabou por ir para Javier Bardem (Este País Não é Para Velhos).

Casey Affleck tem 41 anos e começou a fazer cinema com o irmão mais velho, Ben Affleck. Talvez se lembrem dele, ainda muito novo, em Perseguindo Amy, de Kevin Smith (1997):

Ou em O Bom Rebelde, de Gus Van Sant (também em 1997 e também ao lado do irmão):

Em 2001, Casey Affleck juntou-se a George Clooney, Brad Pitt, Elliot Gould, Bernie Mac e outros, no elenco de Ocean's Eleven, de Steven Soderbergh. Affleck interpretava o papel de Virgil Malloy, que repetiu em Ocean's Twelve (2004) e Ocean's Thirteen (2007).

2007 foi, na verdade, um ano decisivo na carreira de Casey Affleck com a participação em O Assassinato de Jesse James (em que fazia o papel de Robert Ford) e ainda em Vista Pela Última Vez, o primeiro filme de Ben Affleck como realizador.

Ele próprio iria desafiar-se na realização de uma longa metragem, em 2010: I'm Still Here, um filme experimental, protagonizado por Joaquin Phoenix, que dividiu a crítica e acabou por não conquistar o público da maneira que ele tinha imaginado. Affleck usou as suas economias para financiar este projeto e quando ficou sem dinheiro teve de interromper a rodagem durante um mês para ir participar em O Assassino em Mim, de Michael Winterbottom. Apesar desta experiência, Casey Affleck não desistiu da realização e tem já outros projetos atrás da câmara.

No último ano pudemos vê-lo ao lado de Christian Bale em Para Além das Cinzas, de Scott Cooper, ou em Triplo 9, de John Hillcoat. Já este ano, em janeiro, no Festival de Sundance, foi apresentado A Ghost Story, de David Lowery, com Casey Affleck e Rooney Mara.

A participação em Manchester By The Sea aconteceu um pouco por acaso. Era Matt Damon que devia estar ali mas, quando percebeu que não conseguia encaixar as datas de rodagem do filme de Kenneth Lonergan na sua agenda, foi ele que sugeriu o nome de Casey Affleck. Aqui, Affleck interpreta o papel de Lee Chandler um homem devastado pela culpa e pela tristeza que, após a morte do irmão, tem de decidir se aceita ou não ficar responsável pelo sobrinho adolescente. O que é o mesmo que decidir se continua a viver com o seu coração fechado aos outros, ou se consegue sair do isolamento e voltar a relacionar-se emocionalmente com alguém. Com este papel, Casey Affleck já ganhou uma série de prémios, como o Globo de Ouro para Melhor Ator Dramático e o BAFTA de Melhor Ator, o que lhe permite manter as expetativas altas para a noite do próximo domingo, quando serão entregues os Óscares.

Manchester By The Sea tem seis nomeações para os Óscares, incluindo Melhor Filme e Melhor Realizador. Para o Óscar de Melhor Ator, Affleck está nomeado ao lado de Andrew Garfield (O Herói de Hacksaw Ridge), Ryan Gosling (La La Land), Viggo Mortensen (Capitão Fantástico) e Denzel Washington (Vedações).

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.