"Casa Brutale" vai ser construída graças à internet

A mansão no meio do precipício vai ser construída no Líbano, 1600 metros acima do nível médio do mar

A "Casa Brutale", uma casa de betão no meio de um abismo, vai mesmo ser construída. Esta casa tornou-se famosa no ano passado, quando as imagens do projeto foram publicadas na internet e se tornaram viral. Agora, graças à atenção que o projeto recebeu pelos meios de comunicação de todo o mundo e nas redes sociais, foi encontrado um cliente disposto a financiar a construção da casa.

A mansão arrojada - desaconselhada a quem tem medo das alturas - vai ser construída num abismo do Líbano, a 1600 metros acima do nível médio do mar. No topo tem uma piscina que fará de claraboia para iluminar o seu interior.

Laertis-Antonios Ando Vassiliou, fundador da OPA - Open Platform for Architecture, a empresa holandesa que criou o projeto, admitiu que só foi possível tirá-lo do papel graças ao efeito viral no mundo online. Efeito que já tinha sido previsto pelos designers quando divulgaram as primeiras imagens da casa em 2015, no site Archdaily, despertando a atenção de vários compradores."O projeto inteiro foi desenhado em quatro meses para partir a internet", explicou.

Segundo o site de arquitetura Archdaily, a OPA já tem um contrato com uma produtora de filmes independente que irá filmar toda a construção da obra.

O conceito da "Casa Brutale" surgiu como tributo ao brutalismo, um movimento arquitetónico que cresceu entre 1950 e 1970 e defende estilos mais crus e funcionais, ao contrário dos estilos que o antecederam e que promoviam o conforto. "Nós queríamos criar uma sensação de todas as formas possíveis e através deste projeto que mostrasse a nossas plataforma", afirmou Laertis-Antonios . "Este projeto descreve totalmente a nossa estética e filosofia de design".

A OPA está trabalhar neste momento em projetos no Líbano, Tóquio e África do Sul e Laertis-Antonios confessa que o sucesso se deve em grande parte à "Casa Brutale". O arquiteto aproveitou ainda para aconselhar outros artistas a seguir o mesmo caminho. "Sonhem alto" e usem a internet para melhorar competências e enriquecer o portfólio, afirmou o arquiteto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.