Capicua: "Não peço desculpa por ser quem sou"

Depois do sucesso de 'Sereia Louca', no ano passado, a rapper do Porto lançou 'Medusa', com dois temas novos e várias remisturas, e arranca hoje com uma nova digressão.

"Há sempre uma enorme expectativa em relação às mulheres. Não basta sermos boas naquilo que fazemos, temos de ser bonitas e nunca partir uma unha e ainda temos de ter tempo para ir ao ginásio e só comer alface. Eu não sou essa pessoa. E não tenho de viver com o peso dessa expectativa. Não só não me sinto culpada em não ser essa pessoa como tenho orgulho em ser como sou. O que é espantoso é que esta coisa tão simples que é seres tu própria é algo subversivo nas mulheres. Esta atitude despojada de fazer a minha música e dizer o que tenho a dizer é subversiva na nossa sociedade."

É um prazer ouvi-la falar. E não é só por causa da pronúncia do Porto. É porque Capicua, a rapper de 32 anos, é uma dessas mulheres subversivas no melhor sentido da palavra - aquela que tal como a "Medusa" da canção "é livre, e vive a vida dela".

Leia mais no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.