Capicua: "Não peço desculpa por ser quem sou"

Depois do sucesso de 'Sereia Louca', no ano passado, a rapper do Porto lançou 'Medusa', com dois temas novos e várias remisturas, e arranca hoje com uma nova digressão.

"Há sempre uma enorme expectativa em relação às mulheres. Não basta sermos boas naquilo que fazemos, temos de ser bonitas e nunca partir uma unha e ainda temos de ter tempo para ir ao ginásio e só comer alface. Eu não sou essa pessoa. E não tenho de viver com o peso dessa expectativa. Não só não me sinto culpada em não ser essa pessoa como tenho orgulho em ser como sou. O que é espantoso é que esta coisa tão simples que é seres tu própria é algo subversivo nas mulheres. Esta atitude despojada de fazer a minha música e dizer o que tenho a dizer é subversiva na nossa sociedade."

É um prazer ouvi-la falar. E não é só por causa da pronúncia do Porto. É porque Capicua, a rapper de 32 anos, é uma dessas mulheres subversivas no melhor sentido da palavra - aquela que tal como a "Medusa" da canção "é livre, e vive a vida dela".

Leia mais no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.