"Cannes é um circo místico"

Entrevista em Cannes ao ator português Nuno Lopes que participa no filme O Grande Circo Místico de Cacá Diegues,

É um dos atores portugueses do elenco do filme de Cacá Diegues. Agora que o viu em Cannes o que acha?

Achei O Grande Circo Místico quase surrealista. É muito curioso encontrar alguém com a idade do Cacá Diegues a narrar uma história de forma não convencional e sem um protagonista para as pessoas se identificarem . Por outro lado, há uma narrativa muito original e corajosa. Isso já me surpreendera ao ler o guião e agora ainda mais!

As suas cenas são pequenas mas percebe-se que aquele artista de circo de forças combinadas não é um duplo...

Sim, estive três dias a trabalhar aqueles exercícios com uma troupe de ginastas. Fisicamente, estava muito bem: foi na altura em que estava a trabalhar para o São Jorge.

O filme tem esse lado real do circo mas parece estar sempre em viagem para a fantasia...

Todo o filme tem essa mistura. Uma mistura de sonho. Quase que ficamos sem saber se estamos a assistir a um sonho de uma criança.

Este é basicamente um filme brasileiro filmado em Portugal, contudo os atores portugueses foram dobrados. Nas coproduções luso-brasileiras a língua acaba por ser um obstáculo?

Tem de ser dobrado... Claro que a barreira da língua atrapalha-nos. Percebemos muito bem o português brasileiro mas do outro lado é mais complicado. Há mais coisas políticas a fazer do que o Acordo Ortográfico, que não funcionou de todo! Mas estou sempre a fazer destas coproduções. Quando se juntam países em prole de qualquer coisa artística vale sempre a pena! Sinto que Portugal e o Brasil se tocam bem no cinema.

Está a sentir que o circo de Cannes é um pouco místico?

Pouco?! É todo ele místico! Isto é tudo falso. Ainda ontem uma colega brasileira que subia as escadas comigo estava muito nervosa e eu disse-lhe para não estar: os fotógrafos e as câmaras só iam gritar pelo Vincent Cassel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).