Camané, Orlando Julius e Groundation no festival Maré de Agosto em Santa Maria

Camané, Orlando Julius & The Heliocentrics, Groundation, Djeli Moussa Condé, Yarah Bravo e Ronda da Madrugada são os primeiros nomes confirmados para o festival Maré de Agosto, que se realiza na ilha de Santa Maria.

"Trazer aos Açores projetos únicos, e que nem sempre encaixam nas opções culturais que existem no arquipélago, continua a ser o nosso mote. Queremos que a Maré seja a ocasião para que todos marquem estes dias de agosto para estar em Santa Maria", adiantou hoje a organização do festival, numa nota de imprensa.

O último dia do festival, que se realiza de 23 a 25 de agosto, na baía da Praia Formosa, ainda não tem nomes confirmados, mas as primeiras três atuações dos primeiros dias foram agora apresentadas.

"A diversidade musical e cultural e o carimbo de World Music Festival mantêm-se presentes, mantendo a qualidade dos projetos que pretendemos trazer ano após ano, dando espaço a surpresas do panorama global musical e trazendo também a música nacional e regional acarinhada pelo nosso público", salientou a organização.

A 34.ª edição do festival português mais antigo em continuidade arranca com o hip hop da jovem sueca Yarah Bravo e segue com o contador de histórias (griot) guineense Djeli Moussa Condé.

A primeira noite do festival será marcada ainda pelo reggae dos americanos Groundation, que apresentam o seu novo álbum em Santa Maria.

O segundo dia abre com o fado do português Camané, que em 2017 lançou um álbum de homenagem a Alfredo Marceneiro.

O palco da Maré de Agosto recebe ainda o saxofonista e cantor nigeriano Orlando Julius, considerado um dos pioneiros do afrobeat, acompanhado pela sua banda The Heliocentrics, e os Ronda da Madrugada, de Santa Maria, que estão a comemorar 20 anos de folk/rock.

Consulte o programa aqui.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.