Bordalo II inaugura este mês primeira exposição a solo nos Estados Unidos

O artista português inaugura no dia 24, em São Francisco, Trashedy, a sua primeira exposição a solo nos Estados Unidos da América, composta inteiramente por trabalhos novos, contou o próprio à agência Lusa.

Em Trashedy, que estará patente no espaço Heron Arts, Bordalo II irá apresentar "cerca de 16 peças no total, das diferentes séries de trabalho que tem explorado nos últimos anos". "Todos os trabalhos são novos e criados para o espaço de exposição", referiu, em declarações à Lusa.

Artur Bordalo (Bordalo II - o primeiro era o avô, artista plástico Real Bordalo, que morreu em junho do ano passado, aos 91 anos), nascido em Lisboa em 1987, começou pelo 'graffiti', que o preparou para o trabalho pelo qual se tornou conhecido: esculturas feitas com recurso a lixo e desperdícios.

Além das peças que estarão em exposição no espaço Heron Arts, Bordalo II está "a produzir um coiote, numa parede, na cobertura de um prédio de uma zona movimentada da cidade", que faz parte da série Big Trash Animals. No âmbito desta série, Bordalo II criou mais de 80 peças em vários países de três continentes.

Além do coiote, "há a hipótese de fazer mais uma instalação na rua, se tiver tempo".

Trashedy é inaugurada a 24 de fevereiro, e estará patente até 24 de março.

No final do ano passado, cerca de 27 mil pessoas visitaram, em Lisboa, a exposição Attero de Bordalo II, que esteve patente de 04 de novembro a 04 de dezembro, num armazém na zona de Xabregas.

Attero foi uma exposição retrospetiva, composta por trabalhos novos que são uma extensão das obras que Bordalo II tem criado em vários locais do mundo, na rua, com lixo.

Os trabalhos com recurso a desperdícios começaram como uma experiência. Inicialmente, recordou o artista em declarações à Lusa, em novembro, gostou do efeito criado pela junção de embalagens, mas, mais do que isso, percebeu "o potencial que podia ter a utilização do lixo, não só a nível estético, mas a nível conceptual".

No âmbito da exposição criou três peças na rua, que fazem parte da série Big Trash Animals (algo como "Grandes Animais de Lixo"): uma raposa, na avenida 24 de Julho, um sapo, na rua da Manutenção, e um macaco no pátio do armazém onde esteve patente Attero.

Os trabalhos expostos em Attero foram feitos "com materiais totalmente diferentes daqueles utilizados na rua, porque podem ter um grau de detalhe muito diferente".

No entanto, "há sempre uma relação, não só de escala mas do tipo de material utilizado". "As peças que faço para dentro são quase como um complemento das peças que eu faço cá fora, por isso há uma relação entre uma coisa e outra", explicou.

A mostra incluiu também várias atividades paralelas, como visitas guiadas e oficinas, que tiveram lotação esgotada, e a apresentação de um livro sobre o trabalho do artista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.