Bob Dylan e o cinema: uma longa cumplicidade

Bob Dylan através dos filmes é tema de um ciclo da Cinemateca ao longo do mês de maio: uma viagem através da música que, entre documentários e ficção, inclui também os seus trabalhos como realizador e ator.

Bob Dylan está quase a fazer 75 anos (a 24 de maio). E não para: por esta altura, anda mesmo empenhado numa digressão a que deu o nome de Never Ending Tour. É uma boa altura para recordar como a sua história gloriosa possui também um importante capítulo cinematográfico.

A contabilidade é esmagadora: se consultarmos o site IMDb, ficamos a saber que, entre cinema e televisão (sem esquecer os jogos de vídeo), as suas composições surgem em quase seis centenas de títulos. É essa pluralidade que vai ser celebrada por um ciclo de 25 filmes, a decorrer a partir de hoje na Cinemateca - parafraseando o título do seu quarto álbum de estúdio (Another Side of Bob Dylan, 1964), o evento chama-se O outro lado de Bob Dylan.

De facto, são muitos os lados de Dylan que podemos descobrir ou redescobrir. Desde logo, porque as suas canções vão pontuando o último meio século da história do cinema americano, incluindo o filme que hoje (15.30) abre o ciclo: A Propósito de Llewyn Davis (2013), de Joel e Ethan Coen, é mesmo o retrato da cena folk de Greenwich Village, na passagem da década de 50 para os sixties, desembocando na revelação de um tal Robert Allen Zimmermann, aliás, Bob Dylan.

O ciclo inclui alguns títulos cuja cumplicidade com Dylan resulta "apenas" da utilização de alguns dos seus temas mais famosos. São escolhas plenas de ressonâncias históricas ou simbólicas. Por exemplo, em Easy Rider (dia 5), título de culto que fez o balanço das ilusões e desilusões dos anos 60, surge It"s Allright Ma (I"m Only Bleeding), enquanto Just Like a Woman integra Coming Home/O Regresso dos Heróis (dia 11), de Hal Ashby, produção de 1978 que foi um dos primeiros filmes com chancela de um grande estúdio (United Artists) a abordar os traumas da guerra do Vietname.

A via documental será a que mais associamos à persona cinematográfica de Dylan. E há boas razões para isso, a começar por Dont Look Back (1967), de D. A. Pennebaker, presença já tradicional nas listas dos melhores documentários de sempre - no top coligido pela revista britânica Sight & Sound, em 2015, através de um inquérito internacional a mais de três centenas de cineastas, críticos e programadores, surge em nono lugar (a lista é encabeçada por O Homem da Câmara de Filmar, de Dziga Vertov, 1929).

A digressão britânica de 1965

Dont Look Back (hoje, 21.30) constitui um testemunho tão intenso quanto linear. Pennebaker achou mesmo que a simplicidade do empreendimento se devia refletir no próprio título, suprimindo o apóstrofo da negativa do verbo, escrevendo "dont" em vez de "don"t" (no mercado português, foi utilizado o título mais prosaico Eu Sou Bob Dylan). Estamos perante um momento fulcral na evolução de Dylan, em particular por causa da sua digressão britânica de 1965, com a muito polémica integração de guitarras elétricas. Não por acaso, este é também um filme em que emergem sinais contundentes da resistência de Dylan à exposição jornalística, sobretudo através do registo de uma célebre, e pouco cordial, entrevista com um repórter da Time.

A herança iconográfica e simbólica de Dont Look Back envolve mesmo uma sequência que se pode considerar premonitória da estética dos telediscos, com Dylan a apresentar, através de uma sucessão de cartões, a letra da canção Subterranean Homesick Blues (do álbum Bringing It All Back Home, 1965). Uma das situações emblemáticas do filme, com Dylan num automóvel, incomodado com a agitação dos fãs no exterior, serviu de base a uma cena de I"m Not There, filme de 2007 (dia 9) com o qual Todd Haynes revisita o imaginário do músico, entregando a sua personagem a vários intérpretes - nessa cena, Dylan surge composto por Cate Blanchett!

O ciclo inclui também duas experiências lendárias em que Dylan, resistindo sempre aos filmes dos outros, assumiu a própria realização: Eat the Document (1972), para o qual voltou a mobilizar Pennebaker, agora como operador, e Renaldo and Clara (1978), misto de reportagem e exercício confessional (nos dias 6 e 13, respetivamente). Sem esquecer o bizarro e fascinante Pat Garrett and Billy the Kid (1973), de Sam Peckinpah, notável western "revisionista" (dia 7) em que, além da autoria da banda sonora, Dylan surge também como ator.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)