Blake Lively, uma praia e um tubarão

ÁGUAS PERIGOSAS, Jaume Collet-Serra

Sejamos práticos: em tempos de crescente e medíocre formatação dos "filmes de Verão", para mais rodados com aquela estética agitada de telemóvel (que já nem sabe como mostrar um cenário...), é bom encontrar um filme que, pelo menos, tenha gosto em construir uma história, explorar as nuances do seu espaço, gerir as tensões do seu tempo.

Assim é este The Shallows que, além do mais, pode permitir a Blake Lively ascender a um patamar de evidência que bem merece (pelo menos, desde 2012, quando a vimos em Selvagens, sob a direcção de Oliver Stone).

Ela vive a aventura improvável, mas vibrante, de uma jovem que, numa praia paradisíaca, encontra o mais conflituoso dos companheiros: um tubarão. Vem à memória, claro, o brilhantíssimo Tubarão (1975), de Steven Spielberg, mas não é disso que se trata: estamos perante um exercício minimalista de "suspense" que faz lembrar a austeridade e a eficácia de algumas produções de Roger Corman ao longo da déacada de 60. Custou 17 milhões, dez vezes menos que Esquadrão Suicida, mas é vinte vezes mais interessante.

Classificação: *** Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?