Bilhetes para corridas de toiros também são mais baratos amanhã

Campo Pequeno juntou-se ao movimento 24 horas de cultura, que exige o regresso do IVA a 6% para espetáculos culturais, e dá desconto nos ingressos comprados amanhã

Os bilhetes para as touradas no Campo Pequeno vão ser vendidos nesta sexta-feira com desconto. A promotora aderiu à campanha da Associação Portuguesa de Espetáculo, Festivais e Eventos (APEPE) e vai disponibilizar ingressos como se o IVA cobrado fosse a 6%, em vez dos atuais 13% que ficaram desde o período de assistência internacional, mesmo depois da saída da troika.

"A tauromaquia, como atividade tutelada pelo Ministério da Cultura, não pode deixar de se associar a este movimento e exigir para cerca de meio milhão de espectadores anuais melhores condições de acesso à Cultura em todo o país", explica a empresa, acrescentando que a reposição do IVA a 6% é uma meta antiga. Com efeito, já no início de janeiro, a Federação Portuguesa de Tauromaquia, Protoiro, reuniu com o Ministério da Cultura para debater a urgência do regresso da taxa de IVA do setor cultural à taxa reduzida, como forma de potenciar a economia cultural portuguesa e a economia taurina em particular.

A petição organizada pela APEPE conta já com mais de 3500 assinaturas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.