Bienal de Veneza entrega Leão de Prata a Marlene Monteiro Freitas

O festival entrega hoje o Leão de Prata da Bienal de Dança de Veneza à coreógrafa cabo-verdiana Marlene Monteiro Freitas, em reconhecimento pela sua carreira.

O prémio é entregue a Marlene Monteiro Freitas depois da apresentação do espetáculo Bacantes - Prelúdio para uma purga. O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, estará presente na cerimónia que se realiza às 20.00 (hora local).

Nascida em 1979, em São Vicente, Cabo Verde, Marlene Monteiro Freitas é um "presença eletrizante", detentora de "um poder dionisíaco", nas suas produções, destacou a Bienal de Dança de Veneza, quando anunciou a atribuição do prémio de carreira à bailarina e coreógrafa, no passado mês de janeiro. O comunicado dizia ainda que ela se interessa mais pela "metamorfose e deformação", que "trabalha mais com as emoções do que [com] os conceitos, e que apaga as fronteiras do que é esteticamente correto".

Marlene Monteiro Freitas trabalha habitualmente em Portugal e cofundou em Lisboa a estrutura cultural P.O.R.K, com a qual assinou coreografias como Paraíso-coleção privada (2012-13) e marfim e carne - as estátuas também sofrem (2014), entre outras obras. Em entrevista à Lusa, depois da atribuição do pémio, a coreógrafa explicou que, no seu processo de trabalho - cheio de referências de várias áreas artísticas -, lhe interessa "deformar algo para chegar a outra coisa", e que, "para chegar a uma metamorfose, é preciso haver forçosamente uma transgressão". "O meu objetivo não é a transgressão em si, mas usá-la para atingir a metamorfose", justificou.

Outro aspeto importante nas suas motivações é o lado emocional de uma obra coreográfica. "Claro que a narrativa é importante, mas interessa-me mais ter uma relação emocional com o público do que o reconhecimento de uma história na coreografia", apontou, sublinhando que dá também particular relevância à relação direta entre o bailarino e o público.

Em Bacantes - Prelúdio para uma purga, que se estreou no ano passado no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, o ponto de partida é o mundo moral e estético de Eurípides, com apelo a fatores comuns à sua obra - "a abertura, a impureza, a intensidade" -, com o objetivo de impor um "autêntico combate de aparências e dissimulações". "Em Eurípides, está presente o delírio e o irracional. Manifesta-se a ferocidade e o desejo de paz, a selvajaria e a aspiração a uma vida simples. Encontram-se, no seu texto, direções contraditórias, elementos que chocam, corpos íntegros que se desmembram e crenças testadas ao limite. Este é o mundo, moral e estético, que o autor convida a percorrer", lê-se na apresentação da obra.

O festival Festival de Dança de Montpellier, que co-produziu e apresentoua obra, disse que Marlene Monteiro Freitas é "uma das maiores descobertas da atual cena internacional", capaz de "fascinar audiências com a sua linguagem de abundante vitalidade, o seu imaginário forte e a riqueza de referências" que detém.

A Bienal de Dança de Veneza encerra no próximo domingo. Nesta edição, foi igualmente homenageada a coreógrafa norte-americana Meg Stuart, com a atribuição do Leão de Ouro de Carreira, conhecida do público português por criações como Running, Violet,Hunter ou Blessed.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.