Berardo autoriza análises ao quadro "O Chafariz d'El Rei"

Autenticidade da obra, que integra exposição no Museu Nacional de Arte Antiga, foi questionada por dois historiadores

O colecionador Joe Berardo, proprietário do quadro "O Chafariz d"El Rei", cuja autenticidade foi questionada por dois historiadores, disse hoje à agência Lusa que já autorizou a realização de análises à pintura.

"O quadro já foi examinado nos Estados Unidos, em Londres e em Espanha. Para mim não há dúvidas sobre a autenticidade. Todas as opiniões o confirmam", declarou o colecionador, contactado pela agência Lusa.

O pedido para analisar o quadro foi feito pelo Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), onde está patente, desde fevereiro, a exposição "A Cidade Global", dedicada à Lisboa do Renascimento, no âmbito da qual este quadro se encontra exposto, com mais dois, também alvo de polémica por ter sido questionada a sua antiguidade.

"Eu não queria fazer isto [autorizar as análises] porque é dar atenção a historiadores que não são da área, não percebem do assunto. Mas o ministro da Cultura, [Luís Filipe Castro Mendes] pediu-me, e também o diretor do museu [António Filipe Pimentel]. Outros especialistas disseram-me que era a melhor maneira de fechar o assunto", justificou Joe Berardo, para finalmente autorizar a peritagem.

Em causa estão os quadros "A Rua Nova dos Mercadores", ponto de partida da exposição, e de "O Chafariz d"El Rei", que apresentam cenários da Lisboa do século XVI, e cuja autenticidade foi questionada pelos historiadores Diogo Ramada Curto e João Alves Dias em textos publicados pelo semanário Expresso.

O quadro "O Chafariz d"El Rei" - que terá sido pintado entre 1570 e 1580 - "já esteve exposto mais do que uma vez nos Estados Unidos e tem pedidos cada seis meses para esse efeito", recordou Joe Berardo.

"Eu não quero emprestar, porque é uma relíquia histórica portuguesa, com a atividade da Lisboa da época, e até aparece a figura de Luís Vaz de Camões", sustentou o colecionador, acrescentando que, pela sua raridade, "não está à venda".

"A Rua Nova dos Mercadores", que os investigadores têm situado entre 1590 e 1610, está dividida em dois painéis, e é propriedade da Society of Antiquaries of London.

Em textos publicados no semanário Expresso, os historiadores questionaram a antiguidade dos quadros, sustentados em vários pormenores nas pinturas que seriam anacrónicas na época, e apontam para uma datação dos séculos XIX ou XX.

O pedido de autorização aos proprietários para análise às obras foi feito pelo MNAA em acordo com Direção-Geral do Património Cultural, organismo que tutela os museus nacionais.

Contactada pela agência Lusa, fonte do MNAA indicou que ainda não recebeu resposta à autorização pedida à Society of Antiquaries of London, proprietária de "A Rua Nova dos Mercadores", obra dividida em dois quadros.

A mesma fonte indicou que a carta com o pedido de autorização foi enviada a 08 de março, mas não foi recebida pela entidade, e na quinta-feira foi enviada uma segunda via, por correio eletrónico, da qual foi confirmada receção, mas não foi dada ainda resposta.

A Lusa contactou a Society of Antiquaries of London e aguarda uma resposta.

Na véspera da inauguração da mostra - que apresenta Lisboa como uma importante cidade global no período do Renascimento - o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, tinha referido aos jornalistas que a análise às obras ia ser avaliada.

A polémica sobre a datação das obras levou a que o diretor do museu fizesse uma declaração em relação à credibilidade do trabalho das historiadoras Annemarie Jordan Gschwend e Kate Lowe, "The Global City: On the Streets of Renaissance Lisbon", sobre o qual assenta a exposição.

António Filipe Pimentel sublinhou, na altura, que o livro foi "amplamente celebrado pela crítica internacional".

Nele, as autoras fazem uma reconstituição do ambiente da cidade de Lisboa no ciclo dos Descobrimentos, a partir de dois quadros que haviam identificado como uma representação da rua Nova dos Mercadores, a principal artéria comercial de Lisboa no período do Renascimento.

Foi "pelo ineditismo da sua visão e objetiva relevância histórica" que o MNAA entendeu convidar as autoras a adaptarem o livro a uma exposição: "A Cidade Global: Lisboa no Renascimento", que ficará patente até 09 de abril.

A exposição "A Cidade Global", que reúne cerca de 250 obras da época, desde mobiliário, pintura, livros, e tapeçaria, entre outros, recebeu, até terça-feira, um total de 18.547 visitantes, segundo o museu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.