Berardo autoriza análises ao quadro "O Chafariz d'El Rei"

Autenticidade da obra, que integra exposição no Museu Nacional de Arte Antiga, foi questionada por dois historiadores

O colecionador Joe Berardo, proprietário do quadro "O Chafariz d"El Rei", cuja autenticidade foi questionada por dois historiadores, disse hoje à agência Lusa que já autorizou a realização de análises à pintura.

"O quadro já foi examinado nos Estados Unidos, em Londres e em Espanha. Para mim não há dúvidas sobre a autenticidade. Todas as opiniões o confirmam", declarou o colecionador, contactado pela agência Lusa.

O pedido para analisar o quadro foi feito pelo Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), onde está patente, desde fevereiro, a exposição "A Cidade Global", dedicada à Lisboa do Renascimento, no âmbito da qual este quadro se encontra exposto, com mais dois, também alvo de polémica por ter sido questionada a sua antiguidade.

"Eu não queria fazer isto [autorizar as análises] porque é dar atenção a historiadores que não são da área, não percebem do assunto. Mas o ministro da Cultura, [Luís Filipe Castro Mendes] pediu-me, e também o diretor do museu [António Filipe Pimentel]. Outros especialistas disseram-me que era a melhor maneira de fechar o assunto", justificou Joe Berardo, para finalmente autorizar a peritagem.

Em causa estão os quadros "A Rua Nova dos Mercadores", ponto de partida da exposição, e de "O Chafariz d"El Rei", que apresentam cenários da Lisboa do século XVI, e cuja autenticidade foi questionada pelos historiadores Diogo Ramada Curto e João Alves Dias em textos publicados pelo semanário Expresso.

O quadro "O Chafariz d"El Rei" - que terá sido pintado entre 1570 e 1580 - "já esteve exposto mais do que uma vez nos Estados Unidos e tem pedidos cada seis meses para esse efeito", recordou Joe Berardo.

"Eu não quero emprestar, porque é uma relíquia histórica portuguesa, com a atividade da Lisboa da época, e até aparece a figura de Luís Vaz de Camões", sustentou o colecionador, acrescentando que, pela sua raridade, "não está à venda".

"A Rua Nova dos Mercadores", que os investigadores têm situado entre 1590 e 1610, está dividida em dois painéis, e é propriedade da Society of Antiquaries of London.

Em textos publicados no semanário Expresso, os historiadores questionaram a antiguidade dos quadros, sustentados em vários pormenores nas pinturas que seriam anacrónicas na época, e apontam para uma datação dos séculos XIX ou XX.

O pedido de autorização aos proprietários para análise às obras foi feito pelo MNAA em acordo com Direção-Geral do Património Cultural, organismo que tutela os museus nacionais.

Contactada pela agência Lusa, fonte do MNAA indicou que ainda não recebeu resposta à autorização pedida à Society of Antiquaries of London, proprietária de "A Rua Nova dos Mercadores", obra dividida em dois quadros.

A mesma fonte indicou que a carta com o pedido de autorização foi enviada a 08 de março, mas não foi recebida pela entidade, e na quinta-feira foi enviada uma segunda via, por correio eletrónico, da qual foi confirmada receção, mas não foi dada ainda resposta.

A Lusa contactou a Society of Antiquaries of London e aguarda uma resposta.

Na véspera da inauguração da mostra - que apresenta Lisboa como uma importante cidade global no período do Renascimento - o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, tinha referido aos jornalistas que a análise às obras ia ser avaliada.

A polémica sobre a datação das obras levou a que o diretor do museu fizesse uma declaração em relação à credibilidade do trabalho das historiadoras Annemarie Jordan Gschwend e Kate Lowe, "The Global City: On the Streets of Renaissance Lisbon", sobre o qual assenta a exposição.

António Filipe Pimentel sublinhou, na altura, que o livro foi "amplamente celebrado pela crítica internacional".

Nele, as autoras fazem uma reconstituição do ambiente da cidade de Lisboa no ciclo dos Descobrimentos, a partir de dois quadros que haviam identificado como uma representação da rua Nova dos Mercadores, a principal artéria comercial de Lisboa no período do Renascimento.

Foi "pelo ineditismo da sua visão e objetiva relevância histórica" que o MNAA entendeu convidar as autoras a adaptarem o livro a uma exposição: "A Cidade Global: Lisboa no Renascimento", que ficará patente até 09 de abril.

A exposição "A Cidade Global", que reúne cerca de 250 obras da época, desde mobiliário, pintura, livros, e tapeçaria, entre outros, recebeu, até terça-feira, um total de 18.547 visitantes, segundo o museu.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.