Barry Lyndon, o homem sem qualidades pelo génio de Kubrick

A reposição de "Barry Lyndon", de Kubrick, é um marco neste verão cinematográfico. A partir de quinta-feira, no Cinema Ideal

Com o tempo, Barry Lyndon vai sendo restituído ao seu devido lugar. O retorno à sala de cinema desta obra quase esquecida de Stanley Kubrick assinala a urgência de redescobrir o seu esplendor. O anúncio de uma reposição, em versão digital restaurada, 40 anos depois, surge assim com um peso indiscutível na tendência de regresso aos clássicos que a distribuição tem fortalecido. A iniciativa surgiu no Reino Unido, onde será exibido em 45 cinemas, e chega esta quinta-feira a Lisboa, com projeção exclusiva no Cinema Ideal, até 17 de agosto.

A princípio, a ideia era fazer um filme sobre Napoleão Bonaparte. Depois de duas viagens ao futuro, com 2001: Odisseia no Espaço (1968) e o controverso Laranja Mecânica (1971), Kubrick iria finalmente até ao século XVIII, à boleia de um projeto histórico para o qual já tinha desenvolvido intensa pesquisa. Era assim que fazia tudo: intensamente. Por desventura ou felicidade, na altura, tanto a Metro-Goldwyn-Mayer como a Warner Bros. recuaram diante dos custos associados à proposta, levando o cineasta a reconsiderar o plano, de modo a garantir o financiamento, sem abandonar algo da essência.

Barry Lyndon (1975) nasceu então dessa mudança de programa, escolhido entre as lombadas dos livros lá de casa (The Luck of Barry Lyndon), na estante onde figurava toda a obra de William Makepeace Thackerey - e de quem Kubrick ponderou adaptar Vanity Fair. Digamos que a troca foi justa: manteve-se a época, mudou-se a personagem. Conhecemo-lo primeiro como Redmond Barry (Ryan O"Neal), um humilde irlandês empenhado na luta pelo seu primeiro amor, que na fuga às consequências de um duelo inicia uma excursão de vida, passando por dois exércitos (Guerra dos Sete Anos) e desertando, até alcançar uma posição na aristocracia inglesa. Do casamento com a bela e triste Lady Honoria Lyndon (Marisa Berenson) surge o nome Barry Lyndon, e com ele a penosa queda de um homem que não foi preparado para tamanha ascensão.

Thackerey referia-se ao seu livro como "um romance sem herói", e é exatamente nesses termos que Kubrick apresenta Barry, como figura na paisagem de uma época, alguém de passividade calculada, que se deixa levar pela corrente dos acontecimentos à sua volta, só atuando na medida do oportunismo. Não é bom nem vilão. Ryan O"Neal, nas palavras do realizador, foi o intérprete insubstituível desta personalidade, com a qual um Al Pacino, Jack Nickolson ou Dustin Hoffman não teriam ido bem. Há nele uma perfeita concomitância com as imagens criadas por Kubrick e o diretor de fotografia, John Alcott - à luz natural (ver texto ao lado) e com atenção detalhada ao vigor simultaneamente pictórico e realista.

Ao estudar o século e a sociedade, Kubrick inspirou-se em muitos quadros, para definir a justeza de adereços e formas de encenação, por isso, é sem surpresa que cada plano de Barry Lyndon permanece na retina como uma pintura de Watteau ou Gainsborough (o que justificou os Óscares de melhor fotografia, direção artística e guarda-roupa). São imagens que, no seu gesto de beleza, criam também uma distância emotiva: não sofremos com a desventura de Barry, limitamo-nos a contemplar a paleta de cores em que progride a sua vida, ornamentada de música, que vai de Bach e Vivaldi à Sarabande de Handel.

Tudo o que acontece é antecipado na minuciosa narração em voz off de Michael Hordern, que mata a raiz do suspense, para corroborar essa experiência de tragicomédia observacional. Já sabemos que Barry irá casar com Lady Lyndon antes mesmo de cruzarem o olhar na mesa de jogo e, no entanto, não falta deleite à cena, tingida por notas de Schubert.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.