Bandas tributo. Queen, Beatles, Supertramp, Pink Floyd e Dire Straits em Lisboa

Pelo Coliseu de Lisboa vão passar várias bandas pop dos anos 60 em frente. Hoje a banda tributo replica Queen, depois serão os tributos aos Beatles, Supetramp, Dire Straits e Pink Floyd.

Hoje à noite sobe ao palco do Coliseu de Lisboa a banda inglesa Queen... Não será bem assim, mas anda por perto, pois trata-se de uma das bandas tributo que melhor reproduzem a que ficou conhecida por integrar Mercury, Brian May, John Deacon e Roger Taylor e até hoje não esquecida - exemplo: We Are the Champions. Os Quennie não são ingleses, vêm da República Checa, onde se formaram há dez anos. Dois deles até se parecem com os originais May e Mercury, sendo que o vocalista Michael Kluch fez questão de afirmar em recente entrevista que não estão a brincar aos Queen: "Os nossos instrumentos são reais, tocamos as canções como foram executadas no original, vestimos as roupas utilizadas nas suas atuações e quando estamos no palco obedecemos à cenografia deles. Não é uma imitação, apenas tocamos Queen." Aliás, foram ao ponto de convidar a soprano Petra Alvarez para reinterpretar no palco o dueto entre Montserrat Caballe e Freddie Mercury no tema Barcelona e em junho passado atuaram na cerimónia oficial que comemorava o aniversário da rainha Isabel II.

O tributo aos Queen, sob o título Show Must Go On!, não aparece isolado em Lisboa, faz parte de um conjunto de bandas do género gerenciadas por uma promotora com sede em Genebra, a Euroconcert Suisse SARL - com quem não se consegue comunicar -, e que tem no currículo vários grupos semelhantes. É o caso das bandas tributo que tocam como os Beatles e os Supertramp, de duas que imitam os Dire Straits, e outra que homenageia Pink Floyd. Todas irão passar pelo Coliseu até dia 4 de abril. Não se ficam pela música pop estes revivalismos, pois os apreciadores dos antigos Três Tenores têm os 3 Tenores - Valeriy Georgiev, Mihail Mihaylov e Boris Taskov -, que vêm com orquestra sinfónica recriar o Concerto de Roma.

Os Beatles em Lisboa?

Dentro de um mês será vez de se apresentarem em Lisboa os membros da banda tributo aos The Beatles. Claro que não serão os originais Paul, John, George e Ringo, que nunca atuaram em Portugal enquanto banda, mas os que os replicam. Segundo o testemunho divulgado pela banda, quem os aprecia muito é Julia Baird, a irmã de John Lennon, que já disse: "Existem muitas bandas de tributo aos Beatles em todo o mundo, mas os Mersey Beatles são das melhores que escutei." A particularidade desta banda sucedâneo é terem nascido na Liverpool dos outros, onde se reuniram em 1999 e três anos depois começaram a atuar no The Cavern Club. Os Mersey são compostos por Steven Howard, David Howard, Mark Bloor e Brian Ambrose e têm corrido o mundo.

Supertramp de volta

Em março é a vez da Logicaltramp, a banda que recria os Supertramp originais, os que estiveram em Portugal pela primeira vez em 1979. Quem os viu dessa vez, ou na de 1997, poderá fazer uma ideia do que era a sonoridade de uma banda a quem ninguém auguraria grande futuro aos vocalistas e só acharia o saxofonista bom. Bastou o álbum Crime of the Century para os lançar e o Breakfast in America para solidificar um sucesso de milhões de discos vendidos. Os Logicaltramp ficam em palco duas horas e no alinhamento cabe tudo o que Rick Davies e Roger Hodgson popularizaram e que a banda tributo executar desde 2004, com o apoio declarados dos Supertramp.

Dire Straits em dose dupla

A banda de Mark Knopfler desapareceu em surdina em 1995 mas duas bandas tributo passam por Lisboa para divulgar o que David Knopfler, John Illsley e Pick Withers ajudaram a interpretar em vários álbuns. Canções como Sultans of Swing, Romeo and Juliet, So Far Away, Money for Nothing, Tunnel of Love ou Brothers in Arms, entre outras. Em março serão os Money for Nothing Band, que alguns apelidam de "novos sultões do swing" pelo modo como reproduzem o som da banda original. Em abril, é a vez dos nove membros dos Brothers in Band no Coliseu e os fãs podem assistir ao que dizem ser "o melhor espetáculo internacional de homenagem à banda" em duas horas e meia que faz parte da digressão que passa por Espanha, França, Alemanha e Luxemburgo.

Um tributo aos Pink Floyd

Os Think Floud são considerados uma boa reprodução da banda original. Coisa que não deve ser fácil, por isso fazem-se acompanhar de uma parafernália de equipamento que consiga gerar uma emoção futurista aproximada do que ficou registado nos discos da banda de Roger Waters, David Gilmour, Nick Mason, Richard Wright e Syd Barrett.

Calendário

Queen: Hoje A banda tributo Queenie interpreta os sucessos dos Queen. No Coliseu de Lisboa, tal como as restantes

The Beatles: 4 de fevereiro Os Mersey Beatles atuarão em Lisboa e revisitarão os grandes sucessos do grupo de Liverpool

Supertramp: 11 de março Os Logicaltramp recuperam o espírito do grupo que teve um dos maiores sucessos no fim da década de 1970 e durante a de 1980

Dire Straits: 22 de março A Money for Nothing Band traz o som de Mark Knopfler e a 14/4 será repetido pela Brothers in Band

Pink Floyd: 4 de abril Os Think Floyd trazem os grandes sucessos de uma das bandas britânicas mais famosas da pop

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.