Bandas tributo. Queen, Beatles, Supertramp, Pink Floyd e Dire Straits em Lisboa

Pelo Coliseu de Lisboa vão passar várias bandas pop dos anos 60 em frente. Hoje a banda tributo replica Queen, depois serão os tributos aos Beatles, Supetramp, Dire Straits e Pink Floyd.

Hoje à noite sobe ao palco do Coliseu de Lisboa a banda inglesa Queen... Não será bem assim, mas anda por perto, pois trata-se de uma das bandas tributo que melhor reproduzem a que ficou conhecida por integrar Mercury, Brian May, John Deacon e Roger Taylor e até hoje não esquecida - exemplo: We Are the Champions. Os Quennie não são ingleses, vêm da República Checa, onde se formaram há dez anos. Dois deles até se parecem com os originais May e Mercury, sendo que o vocalista Michael Kluch fez questão de afirmar em recente entrevista que não estão a brincar aos Queen: "Os nossos instrumentos são reais, tocamos as canções como foram executadas no original, vestimos as roupas utilizadas nas suas atuações e quando estamos no palco obedecemos à cenografia deles. Não é uma imitação, apenas tocamos Queen." Aliás, foram ao ponto de convidar a soprano Petra Alvarez para reinterpretar no palco o dueto entre Montserrat Caballe e Freddie Mercury no tema Barcelona e em junho passado atuaram na cerimónia oficial que comemorava o aniversário da rainha Isabel II.

O tributo aos Queen, sob o título Show Must Go On!, não aparece isolado em Lisboa, faz parte de um conjunto de bandas do género gerenciadas por uma promotora com sede em Genebra, a Euroconcert Suisse SARL - com quem não se consegue comunicar -, e que tem no currículo vários grupos semelhantes. É o caso das bandas tributo que tocam como os Beatles e os Supertramp, de duas que imitam os Dire Straits, e outra que homenageia Pink Floyd. Todas irão passar pelo Coliseu até dia 4 de abril. Não se ficam pela música pop estes revivalismos, pois os apreciadores dos antigos Três Tenores têm os 3 Tenores - Valeriy Georgiev, Mihail Mihaylov e Boris Taskov -, que vêm com orquestra sinfónica recriar o Concerto de Roma.

Os Beatles em Lisboa?

Dentro de um mês será vez de se apresentarem em Lisboa os membros da banda tributo aos The Beatles. Claro que não serão os originais Paul, John, George e Ringo, que nunca atuaram em Portugal enquanto banda, mas os que os replicam. Segundo o testemunho divulgado pela banda, quem os aprecia muito é Julia Baird, a irmã de John Lennon, que já disse: "Existem muitas bandas de tributo aos Beatles em todo o mundo, mas os Mersey Beatles são das melhores que escutei." A particularidade desta banda sucedâneo é terem nascido na Liverpool dos outros, onde se reuniram em 1999 e três anos depois começaram a atuar no The Cavern Club. Os Mersey são compostos por Steven Howard, David Howard, Mark Bloor e Brian Ambrose e têm corrido o mundo.

Supertramp de volta

Em março é a vez da Logicaltramp, a banda que recria os Supertramp originais, os que estiveram em Portugal pela primeira vez em 1979. Quem os viu dessa vez, ou na de 1997, poderá fazer uma ideia do que era a sonoridade de uma banda a quem ninguém auguraria grande futuro aos vocalistas e só acharia o saxofonista bom. Bastou o álbum Crime of the Century para os lançar e o Breakfast in America para solidificar um sucesso de milhões de discos vendidos. Os Logicaltramp ficam em palco duas horas e no alinhamento cabe tudo o que Rick Davies e Roger Hodgson popularizaram e que a banda tributo executar desde 2004, com o apoio declarados dos Supertramp.

Dire Straits em dose dupla

A banda de Mark Knopfler desapareceu em surdina em 1995 mas duas bandas tributo passam por Lisboa para divulgar o que David Knopfler, John Illsley e Pick Withers ajudaram a interpretar em vários álbuns. Canções como Sultans of Swing, Romeo and Juliet, So Far Away, Money for Nothing, Tunnel of Love ou Brothers in Arms, entre outras. Em março serão os Money for Nothing Band, que alguns apelidam de "novos sultões do swing" pelo modo como reproduzem o som da banda original. Em abril, é a vez dos nove membros dos Brothers in Band no Coliseu e os fãs podem assistir ao que dizem ser "o melhor espetáculo internacional de homenagem à banda" em duas horas e meia que faz parte da digressão que passa por Espanha, França, Alemanha e Luxemburgo.

Um tributo aos Pink Floyd

Os Think Floud são considerados uma boa reprodução da banda original. Coisa que não deve ser fácil, por isso fazem-se acompanhar de uma parafernália de equipamento que consiga gerar uma emoção futurista aproximada do que ficou registado nos discos da banda de Roger Waters, David Gilmour, Nick Mason, Richard Wright e Syd Barrett.

Calendário

Queen: Hoje A banda tributo Queenie interpreta os sucessos dos Queen. No Coliseu de Lisboa, tal como as restantes

The Beatles: 4 de fevereiro Os Mersey Beatles atuarão em Lisboa e revisitarão os grandes sucessos do grupo de Liverpool

Supertramp: 11 de março Os Logicaltramp recuperam o espírito do grupo que teve um dos maiores sucessos no fim da década de 1970 e durante a de 1980

Dire Straits: 22 de março A Money for Nothing Band traz o som de Mark Knopfler e a 14/4 será repetido pela Brothers in Band

Pink Floyd: 4 de abril Os Think Floyd trazem os grandes sucessos de uma das bandas britânicas mais famosas da pop

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.