Banda desenhada da Turma da Mónica com parque temático

As aventuras da Turma da Mónica, do brasileiro Maurício de Sousa, são o tema de um parque temático que vai nascer na Amadora, município que faz da banda desenhada a sua imagem de marca.

Neste parque, os visitantes poderão encontrar personagens como a comilona Magali, o cão Bidu e Mónica - a menina de temperamento difícil que dá nome à banda desenhada conhecida por não gostar dos apelidos que recebe de Cebolinha e do Cascão (gordinha, baixinha e dentuça) e por os perseguir e fazer justiça dando-lhes bastonadas com o seu coelho de peluche.

O parque com as personagens que fizeram de Maurício de Sousa o autor de livros aos quadradinhos com maior sucesso do espaço da lusofonia vai ocupar o espaço da Fábrica da Cultura, uma zona na Falagueira que hoje se encontra degradada, mas onde noutros tempos se realizou um dos maiores festivais internacionais de banda desenhada do país.

De acordo com o vereador da Câmara da Amadora com o pelouro dos Espaços Verdes, Gabriel Oliveira, a banda desenhada é uma das marcas deste município e a construção deste parque serve para assinalar o quinquagésimo aniversário das Aventuras da Turma da Mónica.

"Somos a capital portuguesa da banda desenhada. Este parque vai ficar numa zona que já não tem condições para se fazer o Festival de Banda Desenhada, que está degradada e que precisa de um espaço verde. Esperamos que seja uma referência em Portugal", disse o vereador à agência Lusa.

Segundo Gabriel Oliveira, o parque terá cerca de 4000 metros quadrados e custará cerca de 670 mil euros, suportados na íntegra pela Valorsul, na sequência de "obrigações que a empresa tinha para com o município".

Este será o primeiro parque temático na Europa da Banda Desenhada de Maurício de Sousa - campeã de vendas no Brasil - e deverá estar concluído em setembro.

Os bonecos, alguns deles interativos, têm entre 1,2 a 3,5 metros e serão distribuídos ao longo do espaço verde do parque.

De acordo com o vereador, este é mais um espaço verde desenvolvido pelo município com o objetivo de tornar atrativa a presença das pessoas nas ruas da Amadora.

"Quando se faz um espaço verde tentamos sempre fazer mais inovador que o anterior. Só plantar relva e colocar equipamentos infantis não chega. Quando os parques estão abandonados ou têm pouca gente os espaços morrem e acabam por ser vandalizados e não queremos isso. A lógica do município é pôr as pessoas a andar na rua, dar mais segurança às ruas", afirmou.

Gabriel Oliveira adiantou que Maurício de Sousa estará presente na inauguração deste equipamento.

A Câmara da Amadora organiza há 25 anos o Festival Internacional de Banda Desenhada, no qual é possível o convívio entre os visitantes e os profissionais e autores. Maurício de Sousa participou neste festival em 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.