Avicii cometeu suicídio

Família do DJ disse que Tim Berling "queria encontrar a paz"

O Dj sueco Avicii decidiu acabar com a própria vida, de acordo com um comunicado dos seus familiares, citado pela agência Reuters.

"Ele queria encontrar paz. O Tim não foi feito para a máquina dos negócios em que se viu envolvido. Ele era um jovem sensível que amava os seus fãs mas que detestava a ribalta", revela a família.

Tim Berling, de 28 anos, foi encontrado morto no dia 20 de abril em Omã, no Médio Oriente, onde se encontrava de férias.

Este é o primeiro comentário da família do músico após a notícia da morte de Avicii.

"Ele debatia-se com pensamentos como o Significado, a Vida, a Felicidade. E não conseguiu continuar. Ele queria encontrar paz", lê-se no texto partilhado pela família e onde se depreende que o artista decidiu acabar com a sua vida. No entanto, a agente do DJ, Diana Baron, não quis prestar declarações sobre o comunicado que foi hoje divulgado.

"O nosso amado Tim era uma alma frágil à procura de respostas para questões existenciais. Um perfeccionista que viajou e trabalhou muito e a um ritmo que o levou a um stress extremo ", lê-se ainda no comunicado da família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.