Atrizes de fé

"Fátima", João Canijo

Elas vêem de longe. Em nove dias, 11 mulheres caminham a pé juntas até Fátima vindas de Vinhais Trás-os-Montes. Canijo filma a convivência feminina sem artifícios de narrativa convencional. É o seu novíssimo realismo a ser testado até às últimas consequências. Mas é também um espelho deste país de alcatrão e rezinguice crónica. Pode ser uma comédia humana, um melodrama de segredos e um conto de expiação. Estes caminhos de fé acabam por ser ficção encenada como se fosse documentário puro e duro.


Depois, como não poderia deixar de ser no cinema deste cineasta, há espaço para a verdade das atrizes. Anabela Moreira talvez melhor do que nunca, uma Márcia Breia a aferroar a perfeição e uma Rita Blanco a mostrar que é a maior atriz de composição deste país.
Fátima pode não estar nos píncaros de Sangue do Meu Sangue mas não é passo atrás na caminhada de Canijo.

Classificação: *** (bom)

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.