Atraso nas obras do MUDE em Lisboa adia reabertura do museu para depois de 2018

O Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, já só regressa à rua Augusta em 2019, ou depois, e não em meados deste ano, devido a atrasos nas obras, disse hoje à Lusa a sua diretora, Bárbara Coutinho.

"Ao contrário do que tínhamos previsto, o edifício da rua Augusta não reabrirá em 2018, devido a atrasos nas obras, e isso fará com que continuaremos a desenvolver a nossa programação 'MUDE Fora de Portas', em Lisboa e não só", afirmou hoje Bárbara Coutinho, em declarações à agência Lusa.

O MUDE encerrou em maio de 2016, para obras de requalificação integral do edifício de oito pisos, na rua Augusta, na Baixa de Lisboa, mas continuou a atividade numa programação de exposições, dentro e fora da capital, "MUDE Fora de Portas".

Quanto à data prevista de reabertura, a responsável preferiu "não avançar com nenhuma informação em relação a 2019 ou 2020". "A informação que passamos e que podemos - falo em nome da Câmara Municipal de Lisboa e do MUDE, que é um museu municipal - é que não abrirá em 2018. Preferimos aguardar por informações mais sólidas e mais seguras, para manter sempre o público atualizado sobre o que vão ser os próximos passos", justificou.

A requalificação integral do edifício, referiu, "é uma obra muito complexa". "É uma obra que, importa não esquecer, não está a ser feita para uma exposição temporária ou para que o público a possa utilizar para um período curto. Estamos a fazer uma obra para a instalação de um museu, algo bastante complexo, exigente", disse.

Em abril do ano passado, a diretora do museu anunciou que o Palácio Calheta, na zona de Belém, iria acolher até meados deste ano três exposições, regressando depois o MUDE à rua Augusta.

Assim, no ano passado, estiveram patentes no Palácio Calheta as mostras Novo Mundo - Visões através da Bienal Iberoamericana de Diseño. 2008-2016, entre abril e julho, e Como se pronuncia Design em português: Brasil Hoje, de setembro a dezembro. Para este ano, está programada uma outra exposição, Tanto Mar. Fluxos transatlânticos pelo design, que deveria ter sido inaugurada a 27 de janeiro e estaria patente até 20 de maio. Entretanto, o MUDE anunciou que a mostra será inaugurada no sábado e ficará patente até 15 de julho.

Com a reabertura do edifício da rua Augusta adiada, a programação "MUDE Fora de Portas" irá estender-se por mais tempo, continuando "a procurar ir ao encontro das pessoas, e [desenvolver] o trabalho de divulgação, apresentação, debate, sobre o 'design' nas suas diferentes perspetivas até que a obra termine". "Muito brevemente creio que poderei dar mais informações concretas sobre por onde o MUDE andará", disse.

Este programa, no entanto, não deverá acabar quando o museu regressar à base. "Toda a ação fora do edifício que iniciámos com o 'MUDE Fora de Portas' é nossa intenção manter. Claro que as coisas terão depois outra ponderação e outra calendarização, quando regressarmos à rua Augusta, em termos de sede do museu", referiu Bárbara Coutinho.

Referindo que a "estratégia de uma ação que extravasa as portas do edifício e que vai ao encontro das pessoas faz parte da filosofia do museu", a responsável recordou que, antes de sair da rua Augusta, o MUDE já tinha "feito algumas parcerias com outras instituições, no âmbito da saída e da relação com outros museus, entidades culturais, em Lisboa, fora de Lisboa e no estrangeiro".

Inaugurado em 2009, com base na Coleção Francisco Capelo, o MUDE recebeu, até à data de encerramento do edifício sede, mais de 1.920.500 visitantes, apresentou 58 exposições, realizou 177 eventos e 39 edições relacionadas com o seu acervo de moda e 'design'.

O acervo do MUDE ganhou, nestes sete anos de existência, mais de 800 novas peças para incorporação, sobretudo doações na área do 'design' e da moda de criadores portugueses.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.