Atores Clark Gregg e Simon Merrells na Comic Con Portugal

Quarta edição da Comic Con Portugal decorre até domingo na Exponor, em Matosinhos

Os atores Clark Gregg e Simon Merrells vão marcar presença na Comic Con Portugal, que decorre a partir de quinta-feira, na Exponor, em Matosinhos, distrito do Porto, evento que poderá mudar de local, em 2018, anunciou hoje a organização.

Em conferência de imprensa, Paulo Rocha Cardoso, da organização deste evento de cultura pop, anunciou, como presenças de "última hora", o norte-americano Clark Gregg, da série da Marvel "Agents of S.H.I.E.L.D.", e o britânico Simon Merrells, da série "KnightFall".

Nesta 4.ª edição, que decorrerá até domingo, estão previstos "mais de 180 convidados" e a apresentação de "mais de 200 conteúdos", disse o responsável.

Questionado sobre a possibilidade da edição de 2018 se mudar para outro local, Paulo Rocha Cardoso afirmou que a decisão não está fechada e que apenas no final do evento deste ano será analisada a questão.

"No final deste evento [2017], vamos fazer um levantamento das melhorias [a fazer], do que é melhor para os parceiros. Há várias variáveis que não controlamos", respondeu.

Segundo Paulo Cardoso, há "muitas melhorias" a fazer no atual espaço, e a organização está "a tentar perceber com a Exponor como é que essas [melhores] condições podem ser criadas".

Sem referir Lisboa, Paulo Cardoso disse que, tal como o nome indica, a Comic Con Portugal pretende "tentar sempre promover o país" - o evento está hoje em Matosinhos, mas pode "amanhã estar em Santa Maria da Feira" ou até no Algarve.

Em entrevista recente ao Dinheiro Vivo, o CEO da Great Global Events, Paulo Santos, afirmou que, em 2018, a Comic Con Portugal seria em Lisboa, considerando tratar-se de "uma mudança natural", relacionada com "a maturidade ganha pela própria organização" ao realizá-lo, assim como com "fatores estruturais".

Hoje, Paulo Cardoso não confirmou a mudança de local, salientando apenas que é objetivo da organização "tentar criar novas e melhores condições" para a realização do evento.

Na entrevista, Paulo Santos disse também que a mudança de cidade, só por si, cria "uma bolsa de entusiasmo e de interação que é importante para um evento desta dimensão", e assinalou que, em Lisboa, "há maior oferta hoteleira, maior capacidade de distribuição e interação".

Presente na conferência de imprensa, a presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, afirmou que a Comic Con se "insere na estratégia de divulgação e promoção do concelho", e que é seu objetivo "continuar" com esta parceria, esperando mesmo que "se mantenha nos próximos anos".

"Não somos um concelho com expressão tão reduzida. [A Comic Con] é um evento que acolhemos bem", assegurou Luísa Salgueiro, para quem Matosinhos tem todas as condições necessárias para acolher a iniciativa.

A Câmara de Matosinhos financia a edição deste ano do Comic Con com 100 mil euros e, questionada pela Lusa, Luísa Salgueiro, admitiu aumentar a verba no próximo ano.

A partir de quinta-feira, a Exponor receberá, entre outros, a atriz luso-americana Daniela Ruah, que faz parte do elenco da série "NCIS: Los Angeles" desempenhando o papel da agente especial Kensi Blye, Kirsten Vangsness, Penelope Garcia em Mentes Criminosas, do canal AXN, o ator Edward James Olmos, conhecido pelo seu papel de comandante William Adama em "Battlestar Galactica", e Dominic Purcell, Licoln Burrows da série de televisão "Prison Break".

A edição de 2016 da Comic Con Portugal contou com perto de 73 mil visitantes.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."