Ator de Harry Potter e 'A Guerra de Tronos' vem a Portugal

David Bradley junta-se na Comic Con a Jason Isaacs, que interpreta Lucius Malfoy nos filmes de Harry Potter

O ator inglês David Bradley, conhecido por interpretar Argus Filch na saga Harry Potter no cinema e Walder Frey em "Guerra de Tronos", é a mais recente confirmação da Comic Con Portugal, anunciou hoje a organização.

A confirmação insere-se, assim, no âmbito do lançamento do mais recente livro de Harry Potter, que acontece à meia-noite de domingo, na Livraria Lello, no caso do Porto, onde o primeiro fã a entrar vai ter "direito a uma surpresa especial, preparada com a ajuda da Comic Con".

David Bradley junta-se na Comic Con a Jason Isaacs, que interpreta Lucius Malfoy nos filmes de Harry Potter.

Com uma carreira que remonta ao começo da década de 1970, Bradley -- que se descreve na conta oficial de Twitter como "ator, estrela de rock (bom, cantor de casamentos)" -- entrou também em filmes como "Hot Fuzz", de Edgar Wright e Simon Pegg, "Harry Brown" com Michael Caine e "Um ano mais", de Mike Leigh.

Mais recentemente, David Bradley ganhou um BAFTA (prémio da Academia Britânica das Artes do Cinema e Televisão) para melhor ator secundário em televisão, pelo papel que desempenhou na série "Broadchurch".

A Comic Con Portugal vai crescer para quatro dias este ano, realizando-se entre 08 e 11 de dezembro na Exponor, em Matosinhos, tendo já confirmada a presença da atriz Ivana Baquero.

No campo da Banda Desenhada, a Comic Con Portugal confirmou o artista Achdé, que deu continuidade a Lucky Luke para lá de Morris, o ilustrador de "Daredevil (vol. 2)", Alex Maleev, e Esad Ribic, artista de diversas séries da Marvel.

Para a área de memorabilia, foi confirmado o escultor Brian Muir, mais conhecido por ter sido o criador de vários elementos estéticos dos filmes "Guerra das Estrelas", como o capacete de Darth Vader e a armadura dos 'stormtroopers'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.