Ator de Batman V Superman em Portugal

Jason Momoa foi o primeiro nome avançado pela indústria de cinema e televisão para a nova edição do Comic Con, que se realiza entre 4 e 6 de dezembro, na Exponor, em Matosinhos

Jason Momoa vai estar em Portugal para participar na edição de 2015 da Comic Con Portugal, que se realiza nos dias 4,5 e 6 de dezembro. Está assim anunciado o primeiro nome da indústria do cinema e da televisão.

Momoa vai interpretar o papel de Aquaman no novo filme Batman v Superman: Dawn of Justice, com estreia marcada para 2016. Este será, aliás, o primeiro de uma série de filmes em que Jason Momoa vai interpretar o super-herói da DC Comic, estando previstos pelo menos mais dois, um deles dedicado exclusivamente à personagem. Para além do papel de super-herói o ator esteve também na série da HBO, Game of Thrones, onde interpretou o papel de Khal Drogo.

A Comic Con Portugal já confirmou a presença dos artistas de Banda Desenhada Brian Azzarello e Eduardo Risso, dupla criadora da obra 100 Bullets, bem como de Juan Díaz Canales e Rubén Pellejero, o duo responsável pela criação de Corto Maltese, obra cujo lançamento está previsto para outubro deste ano.

A Comic Con Portugal já informou também que a área do evento vai aumentar cerca de 10 mil m2 em relação à edição anterior. O aumento de espaço tem como objetivo permitir adicionar mais conteúdos ao evento, incluindo este ano uma área exclusivamente dedicada ao mundo dos videoogos e outra à alimentação.

Os bilhetes para o evento que reúne cinema, séries, banda desenhada, videojogos, anime, manga e cosplay já estão à venda, podendo ser adquiridos nos pontos de venda habituais. O Pack FNAC VIP Weekend, que confere benefícios exclusivos, encontra-se em pré-venda na FNAC por 65 euros e está limitado ao stock existente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.