Assinaturas escondidas confirmam autenticidade de obra de Klimt

Descobertas "duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro 'O Beijo', escondidas na frente e verso da obra"

Investigadores da Universidade de Coimbra e de instituições da Alemanha, Espanha e Japão decifraram assinaturas escondidas de um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt, que se julgava perdido, colocando um ponto final na forte polémica em torno desta obra.

"Após cinco anos de intensos estudos uma equipa internacional de investigadores", inicialmente das universidades de Coimbra (UC), de Hannover e de Mainz (Alemanha) e de Valladolid (Espanha)", a que se juntaram mais recentemente as universidades japonesas de Shizuoka, Tsukuba, Yokohama e Tokushima, atesta a autenticidade do quadro 'Trumpeting Putto', de Gustav Klimt, afirma a universidade portuguesa, numa nota enviada esta terça-feira à agência Lusa.

A autenticação de 'Trumpeting Putto', uma das primeiras obras do pintor simbolista Gustav Klimt (1862-1918), que se "julgava perdida", põe fim a "uma forte polémica em torno desta obra de arte", salienta a UC.

"Das várias provas obtidas pelos cientistas, durante as extensas e complexas análises, destaca-se a descoberta de duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro 'O Beijo', escondidas na frente e verso da obra".

A discussão começou em 2012, quando o colecionador Josef Renz adquiriu o quadro que "tinha sido encontrado numa garagem do norte da Áustria", refere a UC, recordando que, na ocasião, "peritos e historiadores de arte vieram a público questionar a autenticidade da obra, promovendo acesas discussões" sobre o assunto.

Perante a controvérsia, noticiada em órgãos de comunicação social de todo o mundo, "foi decidido solicitar a intervenção de cientistas para esclarecer a autenticidade de 'Trumpeting Putto', obra que fez parte do teto do estúdio Klimt, em Viena, onde o pintor viveu com seu irmão Ernst entre 1883 e 1892", adianta ainda a UC.

A obra desapareceu quando "um elevador foi instalado no edifício e julgava-se que tinha sido destruída", acrescenta.

Benilde Costa, docente e investigadora do Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (UC), que integra a equipa multidisciplinar responsável por estudar a obra, é especialista em espetroscopia de Mössbauer e aplicou esta técnica no estudo do quadro, utilizando um espetrómetro portátil cedido pela agência norte-americana NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration/Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço).

A espetroscopia de Mössbauer, explica Benilde Costa, "permitiu identificar os pigmentos usados na pintura sem ser necessária a extração de amostras da obra".

O quadro, que foi completamente restaurado, vai ser apresentado na quarta-feira, em conferência de imprensa a realizar às 10:30 (hora local), no Museu Sprengel Hannover (Kurt-Schwitters-Platz), durante a qual "os especialistas vão explicar todo o trabalho científico que permitiu esclarecer a autenticidade da obra que se pensava perdida", indica a UC.

"O trabalho 'Trumpeting Putto' é uma grande pintura circular com um diâmetro de cerca de 1,70 metros", refere UC, sublinhando que "decifrada a sua autenticidade, os estudos prosseguem, agora com a colaboração das polícias criminais alemã e austríaca, dado tratar-se de um quadro extremamente valioso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.