Assinaturas escondidas confirmam autenticidade de obra de Klimt

Descobertas "duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro 'O Beijo', escondidas na frente e verso da obra"

Investigadores da Universidade de Coimbra e de instituições da Alemanha, Espanha e Japão decifraram assinaturas escondidas de um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt, que se julgava perdido, colocando um ponto final na forte polémica em torno desta obra.

"Após cinco anos de intensos estudos uma equipa internacional de investigadores", inicialmente das universidades de Coimbra (UC), de Hannover e de Mainz (Alemanha) e de Valladolid (Espanha)", a que se juntaram mais recentemente as universidades japonesas de Shizuoka, Tsukuba, Yokohama e Tokushima, atesta a autenticidade do quadro 'Trumpeting Putto', de Gustav Klimt, afirma a universidade portuguesa, numa nota enviada esta terça-feira à agência Lusa.

A autenticação de 'Trumpeting Putto', uma das primeiras obras do pintor simbolista Gustav Klimt (1862-1918), que se "julgava perdida", põe fim a "uma forte polémica em torno desta obra de arte", salienta a UC.

"Das várias provas obtidas pelos cientistas, durante as extensas e complexas análises, destaca-se a descoberta de duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro 'O Beijo', escondidas na frente e verso da obra".

A discussão começou em 2012, quando o colecionador Josef Renz adquiriu o quadro que "tinha sido encontrado numa garagem do norte da Áustria", refere a UC, recordando que, na ocasião, "peritos e historiadores de arte vieram a público questionar a autenticidade da obra, promovendo acesas discussões" sobre o assunto.

Perante a controvérsia, noticiada em órgãos de comunicação social de todo o mundo, "foi decidido solicitar a intervenção de cientistas para esclarecer a autenticidade de 'Trumpeting Putto', obra que fez parte do teto do estúdio Klimt, em Viena, onde o pintor viveu com seu irmão Ernst entre 1883 e 1892", adianta ainda a UC.

A obra desapareceu quando "um elevador foi instalado no edifício e julgava-se que tinha sido destruída", acrescenta.

Benilde Costa, docente e investigadora do Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (UC), que integra a equipa multidisciplinar responsável por estudar a obra, é especialista em espetroscopia de Mössbauer e aplicou esta técnica no estudo do quadro, utilizando um espetrómetro portátil cedido pela agência norte-americana NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration/Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço).

A espetroscopia de Mössbauer, explica Benilde Costa, "permitiu identificar os pigmentos usados na pintura sem ser necessária a extração de amostras da obra".

O quadro, que foi completamente restaurado, vai ser apresentado na quarta-feira, em conferência de imprensa a realizar às 10:30 (hora local), no Museu Sprengel Hannover (Kurt-Schwitters-Platz), durante a qual "os especialistas vão explicar todo o trabalho científico que permitiu esclarecer a autenticidade da obra que se pensava perdida", indica a UC.

"O trabalho 'Trumpeting Putto' é uma grande pintura circular com um diâmetro de cerca de 1,70 metros", refere UC, sublinhando que "decifrada a sua autenticidade, os estudos prosseguem, agora com a colaboração das polícias criminais alemã e austríaca, dado tratar-se de um quadro extremamente valioso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.