As primeiras reações dos dez que passaram à final da Eurovisão

Os dez países apurados para a final na terça-feira falaram aos jornalistas. Das mensagens da israelita Netta aos elogios da lituana à representa do Chipre.

Os dez finalistas da primeira semifinal da Eurovisão começaram a chegar às 23.00, pela mesma ordem em que os seus nomes foram aparecendo nos ecrãs de televisão. O representante da Áustria, César Sampson foi uma das primeiras surpresas. Apesar de colher simpatias entre os fãs e jornalistas de meios especializados em Eurovisão, não ocupava os lugares cimeiros nas apostas. Discreto, disse que quando terminou a performance se sentia bem. "Junto das minhas pessoas". "Estive ocupado em ser feliz".

A Estónia nunca ganhou a Eurovisão, mas Elina Nechayeva pode mudar a história com a sua canção, La Forza. "O mais importante é cantar do coração da alma e assim posso chegar às pessoas e apelar a emoções escondidas, talvez haja arrepios e lágrimas", afirmou durante a conferência de imprensa.

Chipre tem três quintos lugares na história da Eurovisão, mas nenhuma vitória. E Eleni Foureira está, este ano, entre as favoritas. É o que diz a sua crescente popularidade e a reação à sua chegada à sala de imprensa. Os fãs fizeram coro enquanto um excerto de Fuego se ouvia pela sala. "Estou tão contente por estar aqui. Obrigada pelo amor e apoio. Vou tentar fazer história, mas o que estamos a fazer é pela música e pelo momento", afirmou a cantora, ensaiando assim alguns versos da canção. Cantaram os fãs, mas também os outros concorrentes.

Na sala de imprensa, tanto a sua canção como a da Israel foram das ouvidas com mais atenção e aplausos. De nacionalidade grega, Eleni explicou que "estava pronta para chorar" quando percebeu que Yanna Terzi, que representava a Grécia ficou pelo caminho. "Gostaria que as coisas fossem realmente diferentes. Ela foi extraordinária."

A lituana Ieva Zasimauskaite, sentada ao lado de Eleni Foureira elegiou a rival. A cantora trouxe o marido, ator, para a sua performance em palco, tal como o tinha já incluído no teledisco da canção. No filme, aliás, participam também os avós. "Para mim, o mais importante são as relações".

Toy, a canção-manifesto de Netta, contra o bullying e a favor de todos os tipos de beleza, também está na final, representando a Israel. Do seu país natal veio a pergunta: que diria a cantora de hoje à jovem que vítima de bullying na adolescência? "Está tudo bem, não mudava nada, tive de passar pelo que passei o que fez o que sou, mas também digo que gostava que o bullying acabasse", afirmou. "Gosto de mim e gosto de todas as pessoas."

Netta é uma das favoritas a vencer a Eurovisão. Como lida com esta pressão de que vai ganhar diariamente? "Acho que é como o Matrix; decidimos qual é o comprimido que queremos tomar". E completou: "Estamos aqui para celebrar diversidade, e eu estou aqui para juntar-me a todos os músicos incríveis a esta mesa. Eu quero fazer um grande trabalho e inspirar o máximo de pessoas e chegar ao máximo de corações possíveis. Para mim, isso é ganhar."

Mikolas Josef, da República Checa, chega à final com um quase-recorde: é a segunda vez que o país se qualifica para a final. O país, que nunca venceu, participa desde 2007 e só chegou à final em 2016. Na sua atuação, o artista previa incluir um mortal que acabou por ser retirado após uma les\ao. Haverá mudanças na final? "Talvez enlouqueça e o faça", afirmou.

A Bulgária, que participa na Eurovisão desde 2005, chega pela quarta vez à final com os Equinox e a canção Bones. "A atmosfera foi fantástica, sentimos o amor, tivemos a nossa equipa a apoiar-nos. É esforço de equipa, obrigada por virem dos EUA para esta aventura", disse Vlado Mihailov, um dos vocalistas desta banda criada para este evento, digindo-se a outros elementos da banda. "Estive no ano passado com Kristin Kostov nos back vocals e o ambiente este ano é ótimo".

Eugent Bushpepa, da Albânia também está na final. "Foi ótimo, senti-me muito bem". O cantor dedicou a canção a todas as pessoas que ama. "É uma canç\ao sobre amor e para aqueles que amo, dedico a todos os albaneses, porque sinto saudades da Albânia."

É uma marca no currículo de Saara Aalto, da Finlândia: Ficar em segundo. "E aqui fui a penúltima a ser anunciada. "Eu estava tão nervosa, tão nervosa. Foi terrível. Não havia câmaras, estavam muito longe...". A cantora diz que a Eurovisão era algo com que sonhava. "Estou à espera há 20 anos, é o meu grande sonho. É a melhor noite das nossas vidas. Este é o lugar onde pertenço".

Ryan O' Shaughnessy quer quebrar o feitiço de 20 anos sem ganhar da Irlanda. Diz que a sua canção é "sobre todo o amor" e que decidiu escrevê-la por altura do referendo ao casamento do mesmo sexo no seu país. "Amor é amor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.