"As pessoas já são punidas pelo que dizem em privado"

A oitava edição do Festival Literário da Madeira começou com dois provocadores. Mick Hume e Ricardo Araújo Pereira discutiram a liberdade de expressão.

Como se fosse um sketch dos Gato Fedorento, o parceiro de debate de Ricardo Araújo Pereira apareceu-lhe no hall do hotel de fato e gravata. Ou seja, Pereira que estava vestido de forma desportiva teve de voltar ao quarto trajar mais a rigor. O tema era quente, "O que é a liberdade de expressão?", também o primeiro desta edição do festival, por onde vão passar até sábado alguns dos melhores escritores, alguns bem premiados. Mick Hume, o engravatado, não se intimidou perante a sala imponente do Teatro Baltazar Dias, nem com uma platéia que desconhece o perfil político. De qualquer modo o seu recente livro, Direito a Ofender, deu lhe tantas dores de cabeça que pior nunca poderia ser.

O moderador, João Paulo Sacadura, desvendou que os dois tinham pensamentos semelhantes e escolheu para primeira pergunta o próprio título do livro de Hume e o direito de cada um dizer o que pensa. Hume gostou do desafio que lhe foi feito 'nesta bela ilha' e referiu que a liberdade de expressão passa por se discordar frontalmente em vez de se aceitar o banal e o que se vai estabelecendo socialmente. 'O slogan destes tempos é ao contrário do que defendo'', disse. Quanto a Araújo Pereira, também não há muitos limites. 'Não me passa pela cabeça definir as fronteiras dos temas que podem ser tratados' e lembrou o tempo em que fez uma sátira ao computador Magalhães através de uma eucaristia e logo um religioso lhe disse para falar antes das ondas do mar. 'Quando o fizer, virão logo os amigos do mar contestar a piada' , concluiu. Elencou outros temas perigosos, como falar de ciganos, mas considerou que hoje em dia como se declarou que as pessoas não sabem ver o contexto, então existem muitos temas proibidos.

Por seu lado Mick Hume, recordou o texto de George Orwell sobre liberdade de imprensa que o seu editor recusou publicar. Não é novidade, diz, que a 'liberdade de expressão esteja em perigo no ocidente, porque sempre esteve. O diferente e perigoso é a autocensura e o medo de pronunciar certas palavras com receio de se poder ser mal entendido. Acabou a divisão entre o privado e o público e as pessoas já são punidas pelo que dizem em privado'. Contestou ainda as leis que se criam para protegerem a privacidade porque elas vão ser estendidas aos políticos corruptos.

Araújo Pereira não deixou de criticar o Facebook e as redes sociais por mexerem com a privacidade e garantiu que 'a minha vida tem sido esconder o que estou a pensar'.

O politicamente correto foi um dos pontos altos do debate. Tanto um como o outro membro do painel consideraram que impedem a liberdade ds expressão e fazem definhar a democracia. 'Nas escolas americanas retiram se livros por criarem mau ambiente na sala de aula, mas o holocausto também não é fácil de estudar. Gera algum desconforto', disse Araújo Pereira. Alertou, no entanto para o facto de muitas pessoas de esquerda estarem a ser atraídas pelo politicamente correto e mais preocupadas em divergirem através da criação de várias organizações em vez de convergirem para terem mais força a nível político. Hume já criticara a criação de palavras para evitar o sentimento de exclusão de certas partes da população.

O festival continua amanhã com o debate moderado por Ana Daniela Soares com os escritores José Luís Peixoto, Sofi Oksanen e Eleanor Catton. Aldina Duarte protagoniza o espetáculo musical de sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.