As pessoas comuns são os novos heróis da Banda Desenhada, mostram os prémios

Foram eleitos os melhores álbuns nacionais do ano. O DN procurou-os no Amadora BD

Talvez se surpreendesse alguém que, ouvindo falar dos álbuns vencedores dos Prémios Nacionais da Banda Desenhada (PNBD) 2015, atribuídos na noite de sábado durante a 26.ª edição do Amadora BD, os tivesse procurado ontem no Fórum Luís de Camões, espaço principal daquele festival internacional de banda desenhada. Deparar-se-ia, por exemplo, com o ex-ministro Miguel Relvas ou o Presidente venezuelano Nicolás Maduro. A responsabilidade de tais presenças é de Marco Mendes, autor de Zombie, distinguido como Melhor Álbum Português.

E se Relvas e Maduro lá estão é porque Mendes, ilustrador, artista plástico e professor do Porto, fez de Zombie uma espécie de volta à vida em 24 horas. Há nele uma dimensão autobiográfica, como em todo o trabalho de Mendes, autor de Diário Rasgado ou Anos Dourados, mas também da tessitura dos dias, e por isso lá estão as praxes académicas no Porto ou a política de tempos recentes.

Marco , autor, achou que através de Marco, personagem central de Zombie, "os eventos iam ser representativos de muita coisa, do espírito do tempo, de um certo ambiente que se vive no Porto, boémio, ativista". E depois, lembra em conversa telefónica com o DN já de regresso ao Porto, "há o tema do amor". Zombie começa com a visita ao hospital onde Manuela, companheira do pai de Marco, está internada e onde "tem aquele monólogo, uma apologia à vida". É dela que lemos: "Ainda há quem não queria viver." A frase como que ecoa ao longo do álbum onde nos vemos retratados no quotidiano em que vamos vivendo como zombies de nós mesmos.

E se ontem alguém tivesse de facto corrido para o Amadora BD, encontraria Nélson Dona, diretor do festival, por entre os fãs de banda desenhada que percorriam o espaço dos editores e livreiros ou os que se antecipavam ao desfile de cosplay e por ali passeavam mascarados de personagens da BD e do cinema de animação. Ouviria então, talvez, o diretor do festival dizer: "A BD deixou de ser baseada em heróis. Cada vez mais, fala de pessoas comuns, como nós. É uma relação ainda mais de proximidade, o leitor reconhece-se naquelas questões levantas pela obra cada vez mais densa". Falávamos de Zombie como de Volta - O Segredo do Vale das Sombras, que valeu a André Oliveira o prémio de Melhor Argumento para Álbum Português. "Volta: parece que isto volta sempre tudo ao mesmo, não é?" Nélson, que integrou o júri dos PNBD 2015 com o autor de BD Pedro Massano, o colecionador Bruno Caetano e os jornalistas Luís Salvado e Sara Figueiredo Costa, falava da crise e de como "o questionar do que andamos aqui a fazer enquanto povo" contamina também a 9.ª arte.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)