As palavras que são música para os nossos ouvidos

Nos dias 28, 29 e 30 de abril, os Dias da Música, no CCB, em Lisboa, vão aprofundar a relação entre a música e a palavra. Haverá muita ópera, teatro e poesia. E algumas surpresas.

No programa dos Dias da Música deste ano cabem Raul Brandão e Bach, Sérgio Godinho e Beethoven, Molière e Joly Braga Santos, José Afonso e Stravinsky. Isto porque desta vez o tema do festival não é um compositor, um instrumento ou um género musical mas, antes, algo inédito: a relação entre as palavras e a música. E é sob o mote "As Letras da Música" que, nos próximos dias 28 a 30 de abril, o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, vai receber mais de 50 concertos e mais de 1400 intérpretes.

Na apresentação do festival, no Dia Mundial da Poesia, o programador André Cunha Leal deu exemplos das muitas maneiras como a música e as palavras vão andar de mãos dadas por ali. Haverá, por exemplo, concertos em que a música tocada se inspirada na literatura, como acontece naquele em que a Orquestra Sinfónica Aproarte, com direção musical de Benoît Fromanger, vai interpretar dois poemas sinfónicos: O Caçador Maldito, de César Franck, e Tasso, Lamento e Triunfo, de Franz Liszt. Mas também no concerto em que o pianista Artur Pizarro irá interpretar dez peças de Serguei Prokofiev a partir de Romeu e Julieta, de Shakespeare, e ainda Gaspard de la Nuit, de Maurice Ravel, música inspirada nos poemas de Aloysius Bertrand.

Num festival que tem o foco na relação entre as música e as palavras não poderia faltar a música de teatro (de Shakespeare, de Molière, de Ibsen) e a ópera, obviamente. "Esta edição é a que terá mais ópera e, sobretudo, terá óperas completas, que é algo não costumamos ter muito nos Dias da Música", explica o programador. É esse o caso do concerto de encerramento, com Candide ou o Otimismo, de Leonard Bernstein, que será interpretada pela Orquestra Sinfónica Portuguesa e pelo Coro do Teatro Nacional de São Carlos. Mas também há ópera em O Rapaz de Bronze, com música de Nuno Côrte-Real e libreto de José Maria Vieira Mendes, a partir de Sophia de Mello Breyner, numa interpretação do Ensemble Darcos. Ou em O Doido e a Morte, de Alexandre Delgado (a partir de Raul Brandão) pelo Toy Ensemble. Ou em A Serrana, de Alfredo Keil, pelo Quarteto Vintage.

Outro dos eixos da programação pelos temas de cantautores - desde os trovadores, como D. Dinis, até ao concerto de Sérgio Godinho com o pianista Filipe Raposo, passando pelas canções espanholas ou francesas (um concerto de Lou Tovano, que vai cantar Gainsbourg, Aznavour, Le Ferre e outros), pela bossa nova de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, e até pelo fado, com um "concerto surpresa" - pede-se ao público que aceite o desafio de ir a um concerto sem saber quem é o fadista que vai subir ao palco. "E também teremos pequenas provocações, como um concerto de canções sem palavras, de Mendelssohn", propõe André Cunha Leal.

Para além dos concertos em sala, há programação específica para famílias, apresentações mais informais nos coretos e um programa de conferências e conversas em volta do tema desta edição. Com um orçamento que ronda os 470 mil euros, os Dias da Música têm a ambição de conseguir juntar durante três dias o público mais melómano, "que já é público da música erudita e é exigente", com o "grande público", aqueles que quer participar na festa do CCB e para o qual é necessário ter uma oferta mais heterogénea. Os 28 mil bilhetes disponíveis já estão à venda: de 4 euros para entrar no recinto até 12 euros (o bilhete mais caro).

Veja a programação completa AQUI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.