As memórias de Aretha Franklin: Deus, raça e autoridade

Numa só edição, testemunhamos a coroação e a primeira fase do reinado de uma voz no apogeu

Bastariam duas canções, duas versões, dois arranques de concerto que - nesta edição majestática - abrem dois discos, para podermos levantar a mão e a voz, anunciando o "bingo" ou o "eureka" ou algo de semelhante. Quem ouvir a cavalgada rítmica com que a cantora reclama I Can"t Get No Satisfaction (na abertura de Aretha in Paris, 1968) e com que atira de imediato Mick Jagger para um "lar da terceira idade", estacará obrigatoriamente e perceberá que uma voz assim pode fazer o que quiser, saltitar de estilos, flirtar com diferentes companhias, acelerar ou travar como entender, sem deixar de causar o nó na garganta e o arrepio na espinha.

Quem preferir um encontro com Aretha Louise Franklin - nascida a 25 de março de 1942, em Memphis, Tennessee - em região mais demarcada, só precisa de trocar o disco (a abertura de Aretha Live at the Fillmore West, 1971) e constatar como nem mesmo o grande Otis Redding conseguiu conservar a primazia numa canção-hino que ele próprio escreveu mas que a Lady Soul confiscou, remodelou e nunca mais cedeu a terceiros: Respect, que ainda hoje serve de estandarte a causas tão diversas (ou nem por isso...) como a igualdade entre raças ou a libertação feminina.

Para chegarmos mais rapidamente ao que aqui nos traz, uma coleção de 16 álbuns espalhados por 19 CD, que correspondem ao essencial do trabalho de Miss Franklin com o selo editorial Atlantic, cabe de imediato uma declaração de voto. Admita-se que o trono masculino da soul e do R&B pode ser, com argumentos de peso para cada um dos aspirantes, disputado entre homens como o já citado Redding, Sam Cooke, Al Green, James Brown, Smokey Robinson, Stevie Wonder, até Michael Jack-son. Se abrirmos as candidaturas aos que nunca se fixaram dentro de quaisquer fronteiras, tornar-se-á justo acrescentar os notáveis Ray Charles e Prince.

Quando nos viramos para o género feminino, não há quem possa fazer sombra a Aretha Franklin. De resto, disso mesmo se faz prova com a recuperação deste período nuclear: todos os álbuns, mesmo aqueles que só veriam a luz do dia anos mais tarde, foram gravados entre 1967 e 1976 (embora a cantora só deixasse a editora três anos depois). A ideia de "obra", mesmo com dois e três discos registados num mesmo ano civil, o que transmite a urgência da gravadora em aproveitar a frescura sábia da artista - quando chegou à casa só tinha 24 anos, mas cantava profissional e publicamente desde os 15 - para que ela deixasse marca, inconfundível e vibrante, de uma voz única e de um estilo irrepetível.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.