As afinidades de Sophia e Sena

Crítica a "Correspondências", de Rita Azevedo Gomes.

Esteve na corrida ao Leopardo de Ouro em Locarno, e depois ganhou o prémio José Saramago no Doclisboa. Este filme híbrido de Rita Azevedo Gomes é uma viagem no tempo através da palavra escrita e dita. Mais especificamente, um périplo assente na poética das cartas trocadas entre os amigos Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena, ao longo de dezanove anos (1959-1978).

Neste título translúcido - Correspondências - o tempo tem um travo político e é marcado pela angústia da emigração forçada de Sena. Dessa dor nasce o "jogo" da poesia que alimenta uma afinidade, num gesto de liberdade de expressão. Entre imagens de arquivo, poemas lidos pelos próprios autores e múltiplas encenações da palavra dita em várias línguas, a realizadora de Frágil Como o Mundo e Vingança de Uma Mulher constrói um filme que é uma intensa conversa íntima.

Classificação: *** (Bom)

Ler mais

Exclusivos