Arte urbana "Made in Portugal" é mostrada em Paris a partir desta sexta-feira

A exposição na GCA Gallery junta vários nomes portugueses e vai estar patente até dia 14 de julho

A exposição "Made in Portugal", na GCA Gallery, em Paris, junta obras de Akacorleone, Mário Belém, Gonçalo Mar, MrDheo, Nuno Viegas, Pantónio e João Samina, é inaugurada esta sexta-feira e fica patente ao público, a partir de sábado, até 14 de julho.

A inauguração, hoje, ao fim da tarde, conta com as presenças de Akacorleone e Samina, e pretende "apresentar uma parte da cena de arte urbana portuguesa", disse à Lusa Geoffroy Jossaume, diretor da GCA Gallery.

"Apresentamos um painel de sete artistas com obras muito ricas e variadas, tanto ao nível estético quanto em termos de técnicas. Portugal é um dos melhores lugares de 'street art' no mundo, é uma cena muito dinâmica, há muitas paredes pintadas e há uma enorme energia em Lisboa e no Porto", descreveu Geoffroy Jossaume, na apresentação da mostra, no final de maio.

O galerista, que entre dezembro e janeiro fez uma exposição individual do português Ivo Santos (Smile), explicou que "a arte urbana funciona muito bem em França, particularmente em Paris", mas que, apesar de haver "muitos artistas e galerias em Paris, só poucas galerias mostram artistas estrangeiros".

Geoffroy Jossaume tem, por isso, apostado "na cena europeia" e fez duas mostras coletivas de arte urbana "Made in France" e "Made in Italie", na galeria que tem em Nice, e agora quer mostrar a arte urbana portuguesa, na sua galeria de Paris, com "cerca de 20 obras de ateliê".

"Quero mostrar os portugueses ao público parisiense porque, ainda que a arte urbana seja um movimento instantâneo e internacional, e que a informação circule imediatamente na internet, as obras não circulam tão facilmente. O meu trabalho é mostrar o que fazem estes artistas além das paredes, ou seja, mostrar as obras de ateliê", explicou.

A exposição "Made in Portugal" começa três semanas depois da inauguração na capital francesa de duas exposições de Alexandre Farto, conhecido como Vhils, no centro cultural Centquatre-Paris e na galeria Magda Danysz, e após a inauguração de um segundo mural de Pantónio no 13.º bairro de Paris, onde também há paredes com rostos esculpidos de Vhils.

A mostra está integrada no programa da segunda edição da "Lusoscopie", uma iniciativa do Centro Cultural Camões em Paris, que promoveu exposições quase paralelas de artistas como Paulo Nozolino, Carlos No, Borderlovers (Ivo Bassanti et Pedro Amaral), José Loureiro, Alexandra de Pinho e Adriana Molder.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.