Arte Antiga continua com um piso fechado ao público

Seis novos vigilantes, cinco privados e um outro vindo do Museu dos Coches, reforçaram, a partir de hoje a equipa do Museu Nacional de Arte Antiga.

Depois do dia de descanso semanal, o Museu nacional de Arte Antiga abriu hoje portas já com as salas de exposição do segundo e terceiro piso reabertas, embora o Piso 2, dedicado às Artes da Expansão, Ourivesaria/Joalharia e Cerâmica, encerre entre as 13.00 e as 14.00, segundo informação disponibilizada no site do próprio museu.

Durante cerca de duas semanas a maioria das salas do museu estiveram encerradas ao público, com a direção do museu a decidir pela cobrança de apenas metade do valor do bilhete como forma de compensar os visitantes.

Hoje, o museu reabriu o Piso 3, podendo já ser vistos uma das joias da coleção, os Painéis de São Vicente, bem como o Piso 2 após um reforço de seis vigilantes, cinco privados contratados a título excecional face à falta de vigilantes do próprio museu (devido a férias e baixas) e um que transita do Museu dos Coches.

No entanto, continua fechado o Piso 1, dedicado ao mobiliário português e às artes decorativas europeias.

O DN tentou saber junto da direção do museu quantos vigilantes são ainda necessários para o museu abrir em pleno, mas o diretor, António Filipe Pimentel não quis prestar declarações sobre esta situação.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.