Aretha Franklin vai retirar-se mas antes grava um disco com Stevie Wonder

A cantora norte-americana que em março completa 75 anos anunciou que se vai reformar este ano.

A rainha do soul anunciou que se vai reformar em 2017, ano em que completa 75 anos, mas, antes disso, vai gravar um disco com produção de Stevie Wonder. "Este será o meu último ano", disse. "Vou gravar mas este será o meu último ano de concertos. É isso."

Numa entrevista telefónica a um canal de televisão de Detroit, Local 4, Aretha Franklin afirmou que planeia retirar-se este ano da vida artística mas que não irá ficar completamente parada, talvez continue a participar em alguns eventos selecionados, mas nunca mais de um por mês, e só durante parte do ano. O objetivo é passar mais tempo com os netos: "Sinto-me muito, muito satisfeita com a forma como a minha carreira evoluiu, de onde vim e onde cheguei", disse. "Ficarei ainda mais satisfeita [a partir de agora] mas não vou ficar sentada sem fazer nada, isso também não seria bom."

Quanto ao novo álbum, que será editado em setembro deste ano, será inteiramente composto por temas originais e gravado em Detroit. "Algumas das canções serão produzias por Stevie e claro que só há um Stevie, certo?", disse, referindo-se à participação de Stevie Wonder.

Uma das melhores cantoras de todos os tempos, Aretha Franklin deu voz a temas como I Never Loved a Man the Way I Love You ou Respect. Foi a primeira mulher a fazer parte do Rock & Roll Hall of Fame, em janeiro de 1987, e já recebeu 18 prémios Grammy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.