Apogeu e queda de uma família de banqueiros

Da Natureza dos Deuses é um épico sobre a história de várias gerações de uma família ligada à banca

Da Natureza dos Deuses é o título do novo romance do escritor António Lobo Antunes, a ser lançado na próxima semana. Quanto ao conteúdo do que vai entre a capa e a contracapa, ainda está no mistério dos deuses como costuma ser a natureza do mercado editorial. Resumo, aliás, que o próprio autor se recusa a fazer por considerar tarefa impossível e incorreta no que respeita à sua literatura.

Por isso, a pré-publicação que hoje o DN entrega ao leitor desvenda um pouco do caminho que faz este romance de Lobo Antunes, que começa assim: "Mandaram-me pela primeira vez a casa da Senhora mais ou menos na altura em que encontrei o sem abrigo a dormir no degrau da livraria (...)" Segue-se a tradicional polifonia das vozes ao longo do romance, recuperando as questões que o escritor exige colocar, nem que seja pela metáfora da dor provocada por uma pedra de rim, por ter-se nascido em África, os efeitos dos botões de metal prateado, um engenheiro viúvo, os badalos das cabras ou a boneca da menina. Sempre nesse registo mais recente, interventivo e apurado dos seus romances publicados após O Meu Nome É Legião, em 2007.

Uma coisa pode revelar-se sobre esta obra ao leitor cansado da crise: não sendo um retrato propositado sobre os tempos desesperados que o autor tem criticado nos últimos anos de forma pública, Da Natureza dos Deuses não deixa de a tocar de forma polémica. Principalmente na reflexão literária involuntária sobre alguns dos protagonistas mais famosos da crise, mesmo que seja pura coincidência o tempo da escrita e a cronologia dos acontecimentos.

Há muito que era projeto do escritor fazer um épico sobre a ascensão, o apogeu e o fim de uma família de banqueiros. É disso que trata fundamentalmente o livro. Se tem paralelo com a realidade financeira mais recente do país, é preciso não esquecer que este romance foi entregue há dois anos à editora. Pergunta o leitor: o que sabe do tema o escritor? A resposta está, sem dúvida, no romance.

Leia a pré-publicação na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.