"Antwerpen" de Surma nomeado para disco independente europeu do ano

O disco "Antwerpen", de Surma, é o único álbum português na lista de 22 nomeados para o prémio disco do ano europeu, anunciou hoje a IMPALA - Associação de Empresas de Música Independente.

Surma, de Leiria, surge numa lista que integra, por exemplo, os britânicos King Krule e os The xx, que já venceram o galardão, a austríaca Fever Ray, os belgas Millionaire, Loney Dear, da Suécia, o espanhol Xoel López e o duo franco-cubano Ibeyi, entre um conjunto de outros projetos de 19 países.

O projeto Surma, de Débora Umbelino, é "um dos brilhantes recém-chegados" à música europeia, descreve a IMPALA, no comunicado hoje divulgado a partir de Bruxelas.

Lançado em Portugal em outubro de 2017, pela Omnichord Records, o disco "Antwerpen" tem edição agendada para 16 de março, na Alemanha, Áustria e Suíça.

O primeiro single do disco de estreia do projeto, "Hemma", está nomeado para o Prémio Autores SPA, na categoria "Melhor tema de música popular".

No início de 2018, Surma atuou no festival Eurosonic, na Holanda, e prepara-se para viajar para os Estados Unidos da América, para atuar no festival South By Southwest, em Austin, no Texas, no dia 17 de março.

Até ao final de maio, Surma tem mais de 30 datas agendadas para concertos na Polónia, Alemanha, Suíça, Itália e Portugal.

Em 2017, um outro projeto de Portugal, os First Breath After Coma, igualmente de Leiria, foram nomeados para o prémio da IMPALA, que em edições anteriores foi entregue a discos de José Gonzalez, Adele, The xx e Agnes Obel.

Antes, em 2016, a editora de Surma e dos First Breath After Coma, a Omnichord Records, recebeu da IMPALA o prémio "Young label spotlight", que reconhece as jovens editoras europeias, independentes, mais inspiradoras da Europa.

O vencedor do prémio melhor álbum europeu do ano é anunciado pela IMPALA em março e sucederá à dinamarquesa Agnes Obel, vencedora no ano passado.

Os dinamarqueses D/Troit, os alemães Gurr, a britânica Laura Marling, o francês Orelsan, o italiano Coez, o norueguês Cezinando, o holandês André Hazes Jr., a neozelandesa Aldous Harding, Kaukolampi, da Finlândia, Hangszersimogato, da Hungria, Chui i Jazz orkestar HRT, da Croácia, Marko Louis, da Sérvia, Sirom, da Eslovénia, Super Besse, da Bielorrússia, são outros projetos nomeados.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.