António Muñoz Molina apresenta em Lisboa o seu romance finalista do Man Booker

O escritor espanhol Antonio Muñoz Molina vai estar na Feira do Livro de Lisboa na quarta-feira, para apresentar o seu romance "Como a sombra que passa", finalista da edição deste ano do Prémio Man Booker internacional.

O livro, que vai ser editado em Portugal pela Ponto de Fuga, debruça-se sobre o assassinato do ativista Martin Luther King, acompanhando o percurso seguido pelo assassino, James Earl Ray, desde o crime até à sua captura, incidindo particularmente nos dias que passou em Lisboa durante a sua fuga.

A 4 de abril de 1968, Martin Luther King foi assassinado. Antes da sua captura e condenação a 99 anos de prisão, James Earl Ray escapou ao FBI durante dois meses, período durante o qual cruzou o mundo sob diferentes identidades falsas. Nesse tempo, passou dez dias em Lisboa, a tentar obter um visto para Angola.

Obcecado por esse homem fascinante, e graças à abertura recente dos arquivos do FBI sobre o caso, Antonio Muñoz Molina reconstrói o crime, a fuga e a captura de Ray, mas sobretudo os seus passos na capital portuguesa, descreve a editora na sinopse do livro.

Lisboa é, então, o cenário e protagonista deste romance, enquanto destino de três viagens que se vão alternando na perspetiva do autor: a do fugitivo James Earl Ray em 1968, a do jovem Molina, que, em 1987, partiu de Granada em busca de inspiração para O Inverno em Lisboa, livro que o consagraria, e a do escritor aclamado que tece a narrativa nos dias de hoje.

Segundo a sinopse do livro, "Como a Sombra que Passa" aborda, a partir da maturidade e num registo íntimo, temas relevantes na obra de Antonio Muñoz Molina: o passado como matéria de difícil recriação, o caráter fugaz do instante, a construção da identidade e o fortuito como motor do real, que neste livro ganham forma através de uma primeira pessoa inteiramente livre que desafia perceções e se resolve no próprio processo de escrita.

A apresentação da obra pelo autor vai decorrer na Praça Verde da Feira do Livro de Lisboa, às 21:00 de 13 de junho, dia de encerramento do certame.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.