Ano forte da clássica

Concerto de uma das cinco melhores orquestras mundiais e Ano Áustria na Casa da Música em destaque

Começamos esta seleção com a visita de uma das melhores orquestras do mundo a Lisboa. A Concertgebouw Orkest de Amesterdão é invariável residente no top 5 das orquestras mundiais. A vinda a Lisboa enquadra-se numa digressão pela UE. Tocam na Gulbenkian a 21 de fevereiro, sob a direção de Semyon Bychkov e tendo por solistas as irmãs pianistas Katia e Marielle Labèque.

Um mês depois, a 24 de março (sábado de Ramos), na Igreja de São Roque, teremos a integral dos Responsórios de Quaresma e da Semana Santa de Carlo Gesualdo (1566-1613): uma maratona musical e oportunidade única para ouvir este repertório na sua totalidade, pelos Graindelavoix, ensemble que alcançou ao longo dos anos um estatuto de enorme carisma em todo o repertório polifónico a cappella. Logo depois da Páscoa, o galês Bryn Terfel, um dos máximos baixo-barítonos das últimas décadas, vem pela primeira vez à Gulbenkian para um concerto de trechos de ópera com Orquestra e Coro Gulbenkian. Será a 4 de abril.

No Porto, 2018 é Ano Áustria na Casa da Música e, dentre a vasta oferta, haverá um ciclo integral das sinfonias de Bruckner, além de apreciável número de obras sinfónicas de Mahler. Num e noutro, destacamos Michael Sanderling, um dos grandes maestros que temos o privilégio de ver com regularidade em Portugal. Dirige a Sétima de Bruckner a 19 de janeiro; a Segunda a 12 de outubro e a Sexta de Mahler a 14 de dezembro. Outro maestro imperdível: Eliahu Inbal - dirige a Quarta de Bruckner (2 fevereiro).

Fora do sinfónico, outro momento obrigatório acontecerá a 4 de novembro, com o alemão Andreas Staier, um dos mais notáveis cravistas e pianofortistas das últimas duas décadas. A singularidade deste concerto prende-se ainda com o facto de ele ir tocar (meses após ter gravado) os dois concertos para tecla de Carlos Seixas (1704-42)! Será com a Orquestra Barroca da Casa da Música, na Sala Suggia.

Ainda a Casa da Música, mas agora "a meias" com a Gulbenkian: atenção para Georg Friedrich Haas. Um dos grandes compositores do nosso tempo, o austríaco terá duas importantes obras suas estreadas em Portugal, em datas próximas: a 20 de janeiro, no Porto, será a partitura para grande ensemble In Vain (de 2000), pelo Remix Ensemble; na capital, o Quarteto de Cordas n.º 9 (de 2016), pelo Jack Quartet, formação ame- ricana que por si só é outra razão para não perder este concerto (27 de janeiro).

E terminamos em Lisboa, no Teatro São Carlos, onde a 10 de março se estreia uma produção do Idomeneo, de Mozart, cujo principal destaque é incluir no elenco o soprano português de mais brilhante carreira internacional na atualidade: Ana Quintans. Já quase "bradava aos céus" que Ana nunca tivesse cantado qualquer papel importante no nosso único teatro lírico. A falta será enfim reparada, com a sua interpretação de Ilia, um dos papéis de que é expoente. Serão cinco récitas no total.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.