Ano forte da clássica

Concerto de uma das cinco melhores orquestras mundiais e Ano Áustria na Casa da Música em destaque

Começamos esta seleção com a visita de uma das melhores orquestras do mundo a Lisboa. A Concertgebouw Orkest de Amesterdão é invariável residente no top 5 das orquestras mundiais. A vinda a Lisboa enquadra-se numa digressão pela UE. Tocam na Gulbenkian a 21 de fevereiro, sob a direção de Semyon Bychkov e tendo por solistas as irmãs pianistas Katia e Marielle Labèque.

Um mês depois, a 24 de março (sábado de Ramos), na Igreja de São Roque, teremos a integral dos Responsórios de Quaresma e da Semana Santa de Carlo Gesualdo (1566-1613): uma maratona musical e oportunidade única para ouvir este repertório na sua totalidade, pelos Graindelavoix, ensemble que alcançou ao longo dos anos um estatuto de enorme carisma em todo o repertório polifónico a cappella. Logo depois da Páscoa, o galês Bryn Terfel, um dos máximos baixo-barítonos das últimas décadas, vem pela primeira vez à Gulbenkian para um concerto de trechos de ópera com Orquestra e Coro Gulbenkian. Será a 4 de abril.

No Porto, 2018 é Ano Áustria na Casa da Música e, dentre a vasta oferta, haverá um ciclo integral das sinfonias de Bruckner, além de apreciável número de obras sinfónicas de Mahler. Num e noutro, destacamos Michael Sanderling, um dos grandes maestros que temos o privilégio de ver com regularidade em Portugal. Dirige a Sétima de Bruckner a 19 de janeiro; a Segunda a 12 de outubro e a Sexta de Mahler a 14 de dezembro. Outro maestro imperdível: Eliahu Inbal - dirige a Quarta de Bruckner (2 fevereiro).

Fora do sinfónico, outro momento obrigatório acontecerá a 4 de novembro, com o alemão Andreas Staier, um dos mais notáveis cravistas e pianofortistas das últimas duas décadas. A singularidade deste concerto prende-se ainda com o facto de ele ir tocar (meses após ter gravado) os dois concertos para tecla de Carlos Seixas (1704-42)! Será com a Orquestra Barroca da Casa da Música, na Sala Suggia.

Ainda a Casa da Música, mas agora "a meias" com a Gulbenkian: atenção para Georg Friedrich Haas. Um dos grandes compositores do nosso tempo, o austríaco terá duas importantes obras suas estreadas em Portugal, em datas próximas: a 20 de janeiro, no Porto, será a partitura para grande ensemble In Vain (de 2000), pelo Remix Ensemble; na capital, o Quarteto de Cordas n.º 9 (de 2016), pelo Jack Quartet, formação ame- ricana que por si só é outra razão para não perder este concerto (27 de janeiro).

E terminamos em Lisboa, no Teatro São Carlos, onde a 10 de março se estreia uma produção do Idomeneo, de Mozart, cujo principal destaque é incluir no elenco o soprano português de mais brilhante carreira internacional na atualidade: Ana Quintans. Já quase "bradava aos céus" que Ana nunca tivesse cantado qualquer papel importante no nosso único teatro lírico. A falta será enfim reparada, com a sua interpretação de Ilia, um dos papéis de que é expoente. Serão cinco récitas no total.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."