Andrew Sean Greer vence Pulitzer de ficção com romance "Less"'

O livro narra a vida de Arthur Less, um romancista fracassado, que sai da cidade para fugir ao casamento do seu ex-namorado

O escritor norte-americano Andrew Sean Greer venceu o Prémio Pulitzer de ficção com o romance "Less", sobre as aventuras de um idoso homossexual, considerado pelo júri um livro generoso, musical e expansivo, sobre a velhice e o amor.

"Um livro generoso, musical na sua prosa e expansivo na sua estrutura e alcance, sobre envelhecer e a natureza essencial do amor", disse o júri, durante a atribuição dos Pulitzer, na segunda-feira à noite, na Universidade de Columbia, em Nova Iorque.

O livro de Andrew Sean Greer narra a vida de Arthur Less, um romancista fracassado prestes a fazer 50 anos, que sai da cidade para fugir ao casamento do seu ex-namorado, embarcando numa viagem de mudança de vida, à volta do mundo.

O Pulitzer é um prémio norte-americano que distingue os melhores projetos na área da composição musical, do jornalismo e da literatura.

Em 2017, o Pulitzer de ficção foi para "The Underground Railroad", do também norte-americano Colson Whitehead, sobre uma escrava em fuga, entretanto editado em Portugal pela Alfaguara, com o título "Estrada Subterrânea".

Ainda na literatura, o Prémio Pulitzer 2018 para drama distinguiu "Cost of living", de Martyna Majok, um "trabalho honesto e original, que convida o público a analisar diversas perceções de privilégio e de conexão humana, através de dois pares de indivíduos incompatíveis: um ex-camionista e a sua ex-mulher recentemente paralisada e um jovem arrogante com paralisia cerebral e seu novo cuidador".

Já a biografia galardoada com o Pulitzer deste ano foi "Prairie Fires: The American Dreams of Laura Ingalls Wilder", escrita por Caroline Fraser, que traça um "retrato, profundamente investigado e elegantemente escrito, de Laura Ingalls Wilder, a autora da série 'Little House on the Prairie' ['Uma casa na pradaria'], que descreve como Wilder transformou a história de pobreza, fracasso e luta da sua família num conto edificante de autoconfiança, amor familiar e perseverança".

Na música, o grande vencedor foi o 'rapper' Kendrick Lamar - que se tornou, assim, o primeiro artista de 'rap' a vencer este prémio -, com o álbum "DAMN", lançado a 14 de abril de 2017

Na poesia, o Pulitzer foi para "Half-light: Collected Poems 1965-2016", de Frank Bidart, que o júri considerou ser um "volume de ambição inflexível e alcance notável, que mistura longos poemas dramáticos com pequenas letras elípticas, construindo a mitologia clássica e reinventando formas de desejos que desafiam as normas sociais".

Na categoria de História, Jack E. Davis conquistou o prémio com o livro "The Gulf: The Making of an American Sea", "uma importante história ambiental do Golfo do México, que chama a atenção crucial para a 10ª maior massa de água da Terra, um dos ecossistemas marinhos mais diversos e produtivos do planeta".

O Prémio Pulitzer de jornalismo foi para os jornalistas do The New York Times e da The New Yorker, pela sua cobertura do caso Harvey Weinstein

Na música, o grande vencedor foi o 'rapper' Kendrick Lamar - que se tornou, assim, o primeiro artista de 'rap' a vencer este prémio -, com o álbum "DAMN", lançado a 14 de abril de 2017, "uma coletânea de músicas virtuosas unidas pela autenticidade vernacular e pelo dinamismo rítmico, que captam a complexidade da vida afro-americana moderna".

O Prémio Pulitzer de jornalismo - a mais alta distinção para esta categoria nos Estados Unidos - foi para os jornalistas do The New York Times e da The New Yorker, pela sua cobertura do caso Harvey Weinstein, que revelaram no início de outubro do ano passado.

Os prémios Pulitzer distinguem o melhor jornalismo em jornais, revistas e sítios na Internet. Existem 14 categorias para reportagem, fotografia, crítica e comentário.

Nas artes, os prémios são atribuídos em sete categorias, incluindo ficção, drama e música.

Os primeiros prémios de jornalismo foram atribuídos em 1917, incluindo um ao New York Tribune por um editorial sobre o primeiro aniversário do afundamento do navio Lusitânia, afundado por um submarino nazi. Também nesse ano, duas filhas da abolicionista Julia Ward Howe foram premiadas por uma biografia da sua mãe, numa altura em que as mulheres não podiam votar e o mundo literário era dominado por homens.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?