Andrew Sean Greer vence Pulitzer de ficção com romance "Less"'

O livro narra a vida de Arthur Less, um romancista fracassado, que sai da cidade para fugir ao casamento do seu ex-namorado

O escritor norte-americano Andrew Sean Greer venceu o Prémio Pulitzer de ficção com o romance "Less", sobre as aventuras de um idoso homossexual, considerado pelo júri um livro generoso, musical e expansivo, sobre a velhice e o amor.

"Um livro generoso, musical na sua prosa e expansivo na sua estrutura e alcance, sobre envelhecer e a natureza essencial do amor", disse o júri, durante a atribuição dos Pulitzer, na segunda-feira à noite, na Universidade de Columbia, em Nova Iorque.

O livro de Andrew Sean Greer narra a vida de Arthur Less, um romancista fracassado prestes a fazer 50 anos, que sai da cidade para fugir ao casamento do seu ex-namorado, embarcando numa viagem de mudança de vida, à volta do mundo.

O Pulitzer é um prémio norte-americano que distingue os melhores projetos na área da composição musical, do jornalismo e da literatura.

Em 2017, o Pulitzer de ficção foi para "The Underground Railroad", do também norte-americano Colson Whitehead, sobre uma escrava em fuga, entretanto editado em Portugal pela Alfaguara, com o título "Estrada Subterrânea".

Ainda na literatura, o Prémio Pulitzer 2018 para drama distinguiu "Cost of living", de Martyna Majok, um "trabalho honesto e original, que convida o público a analisar diversas perceções de privilégio e de conexão humana, através de dois pares de indivíduos incompatíveis: um ex-camionista e a sua ex-mulher recentemente paralisada e um jovem arrogante com paralisia cerebral e seu novo cuidador".

Já a biografia galardoada com o Pulitzer deste ano foi "Prairie Fires: The American Dreams of Laura Ingalls Wilder", escrita por Caroline Fraser, que traça um "retrato, profundamente investigado e elegantemente escrito, de Laura Ingalls Wilder, a autora da série 'Little House on the Prairie' ['Uma casa na pradaria'], que descreve como Wilder transformou a história de pobreza, fracasso e luta da sua família num conto edificante de autoconfiança, amor familiar e perseverança".

Na música, o grande vencedor foi o 'rapper' Kendrick Lamar - que se tornou, assim, o primeiro artista de 'rap' a vencer este prémio -, com o álbum "DAMN", lançado a 14 de abril de 2017

Na poesia, o Pulitzer foi para "Half-light: Collected Poems 1965-2016", de Frank Bidart, que o júri considerou ser um "volume de ambição inflexível e alcance notável, que mistura longos poemas dramáticos com pequenas letras elípticas, construindo a mitologia clássica e reinventando formas de desejos que desafiam as normas sociais".

Na categoria de História, Jack E. Davis conquistou o prémio com o livro "The Gulf: The Making of an American Sea", "uma importante história ambiental do Golfo do México, que chama a atenção crucial para a 10ª maior massa de água da Terra, um dos ecossistemas marinhos mais diversos e produtivos do planeta".

O Prémio Pulitzer de jornalismo foi para os jornalistas do The New York Times e da The New Yorker, pela sua cobertura do caso Harvey Weinstein

Na música, o grande vencedor foi o 'rapper' Kendrick Lamar - que se tornou, assim, o primeiro artista de 'rap' a vencer este prémio -, com o álbum "DAMN", lançado a 14 de abril de 2017, "uma coletânea de músicas virtuosas unidas pela autenticidade vernacular e pelo dinamismo rítmico, que captam a complexidade da vida afro-americana moderna".

O Prémio Pulitzer de jornalismo - a mais alta distinção para esta categoria nos Estados Unidos - foi para os jornalistas do The New York Times e da The New Yorker, pela sua cobertura do caso Harvey Weinstein, que revelaram no início de outubro do ano passado.

Os prémios Pulitzer distinguem o melhor jornalismo em jornais, revistas e sítios na Internet. Existem 14 categorias para reportagem, fotografia, crítica e comentário.

Nas artes, os prémios são atribuídos em sete categorias, incluindo ficção, drama e música.

Os primeiros prémios de jornalismo foram atribuídos em 1917, incluindo um ao New York Tribune por um editorial sobre o primeiro aniversário do afundamento do navio Lusitânia, afundado por um submarino nazi. Também nesse ano, duas filhas da abolicionista Julia Ward Howe foram premiadas por uma biografia da sua mãe, numa altura em que as mulheres não podiam votar e o mundo literário era dominado por homens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)