Andanças regressa a Castelo de Vide em formato reduzido, após incêndio de 2016

Um ano depois do incêndio que destruiu mais de 400 viaturas num parque de estacionamento do Andanças, em Castelo de Vide, o festival regressa ao Alto Alentejo, a partir de terça-feira, num formato mais reduzido.

Promovido pela Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança, o festival foi realizado nos últimos anos numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, tendo a organização optado este ano por uma zona "em redor" da vila.

"Este cenário [junto à vila de Castelo de Vide] não tem só a ver com a proximidade a uma população, nem com o que aconteceu (incêndio) no ano passado. Tem a ver com o pensamento que a direção tinha e que era tentar repensar o festival e a sua dimensão", explicou hoje à agência Lusa a responsável pela coordenação artística e gestão de projetos da Pédexumbo, Marta Guerreiro.

Contando com cerca de 300 voluntários, a 22.ª edição do Andanças apresenta também um formato mais reduzido, tanto em número de dias (entre terça e sexta-feira), como em número de público.

Sem esquecer o incêndio que ocorreu há um ano, a organização do festival afirma-se "solidária" com os lesados, levando a efeito, este ano, uma campanha de angariação de fundos para "ajudar todos aqueles que perderam as suas viaturas e bens".

"Nós temos estado abraçados a um grupo formal que se juntou, a "Ajudada`. Este ano, disponibilizamos a nossa caneca, que é uma imagem do festival, oferecemo-la para quem quiser comprar e contribuir para o fundo geral", disse.

De acordo com Marta Guerreiro, a caneca tem um custo de um euro, estando também à venda mosquetões no valor de 50 cêntimos.

Quanto aos danos do incêndio de 2016, o advogado Pedro Proença, representante de 69 lesados, adiantou hoje à Lusa que já foram recolhidos os comprovativos de pagamento da taxa de justiça de cada um deles e que estão a ser ultimados os pormenores para interpor, "ainda este mês", uma ação em tribunal contra a organização do evento e município de Castelo de Vide.

De acordo com o advogado, a ação pretende reivindicar indemnizações de cerca de 800 mil euros por danos patrimoniais e cerca de 600 mil por danos morais.

"Houve um período relativamente longo de espera para conhecer o resultado do inquérito crime (quase seis meses) e foi complicado informar todos os lesados sobre o que se iria passar, tendo as pessoas muitas dúvidas em relação aos custos, houve sessões de esclarecimento e só agora essa fase foi concluída", disse.

O Ministério Público (MP) anunciou a 02 de fevereiro deste ano o arquivamento do inquérito ao incêndio que ocorreu a meio da tarde do dia 03 de agosto de 2016, pouco antes das 15:00, tendo as chamas atingido total ou parcialmente 458 viaturas num dos parques de estacionamento nas imediações do festival.

O despacho final do MP concluiu que, "realizadas todas as diligências, não foi possível apurar quaisquer indícios que permitissem concluir que o fogo tivesse sido ateado de forma deliberada ou intencional".

"Também não foi possível recolher indícios que permitissem apurar as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu, nem a eventual responsabilidade negligente de alguém", segundo um comunicado do MP, publicado na página da Internet da Procuradoria da Comarca de Portalegre.

O Andanças é um festival onde o público deixa a típica postura de espetador para assumir um papel ativo, participando nas oficinas e atividades que preenchem cada dia.

Este ano, entre os vários espaços programados, incluindo um mercado de artesanato, destaca-se o recinto do festival, no antigo campo de tiro, com três palcos de bailes e oficinas, o espaço crianças e famílias e o espaço das atividades paralelas, assim como várias áreas "lounge` e um bar.

Para "estreitar laços" com a comunidade local, está prevista uma programação aberta e gratuita, que acontece no coreto do jardim público, no Cineteatro Mouzinho da Silveira, na Igreja de São Francisco, nas ruas da vila e também na aldeia de Póvoa e Meadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.