Vereadora da cultura chocada com "atriz nua em palco a dizer asneiras"

Continua a polémica em volta do afastamento do diretor do Teatro Sá da Bandeira, em Santarém. Vereadora argumenta que a programação não agradava à população.

Maria João Caetano
Imagem do espetáculo "O Mandarim"© Direitos reservados

Uma programação que não interessa ao público da cidade por ser demasiado alternativa, incluindo até um espetáculo com uma atriz nua em cena e a dizer palavrões - estas foram as justificações da vereadora da cultura de Santarém, Inês Barroso, para o afastamento do diretor do Teatro Sá da Bandeira, Pedro Barreiro.

A vereadora afasta assim a hipótese de saneamento político - a acusação que tinha sido feito por Pedro Barreiro, por ser filho de Rui Barreiro, candidato socialista derrotado nas eleições autárquicas de 1 de outubro, e por durante a campanha eleitoral ter tecido duras críticas ao presidente social-democrata Ricardo Gonçalves, entretanto reeleito.

Mas não consegue afastar a polémica. "Atriz nua choca vereadora da cultura" é a manchete da última edição do jornal regional ORibatejo, referindo-se a declarações de Inês Barroso na Assembleia Municipal da passada segunda-feira. De acordo com o jornal, quando questionada sobre a saída do diretor do teatro, a vereadora explicou que a programação não agradava à população. E deu um exemplo: após a apresentação, a 2 de dezembro, da peça O Mandarim, foi "bombardeada" com "chamadas de pessoas indignadas porque tínhamos uma atriz nua em palco a dizer asneiras, um comportamento não digno para o teatro municipal e, obviamente, que se os munícipes fazem reportes de desagrado, temos de reapreciar tudo o que foi feito no Teatro Sá da Bandeira".

O Mandarim - Apóstrofe e Paciência era um espetáculo construído a partir d"O Mandarim, romance de Eça de Queiroz, numa coprodução Teatro Sá da Bandeira / Activo Tóxico Artistas Associados. A direção artística era de Pedro Barreiro e a atriz que aparecia nua era Sandra Oliveira, que não tardou a reagir às declarações da vereadora:

Afastamento político?

No entanto, a polémica já tinha começado antes. Ator e encenador, Pedro Barreiro, de 31 anos, iniciou a sua atividade à frente do Teatro Municipal Sá da Bandeira em janeiro de 2015. Durante a campanha para as últimas eleições autárquicas, em que o seu pai era candidato, o diretor do teatro usou a sua página de Facebook para criticar a "mediocridade" da gestão social-democrata.

Após as eleições, a notícia do afastamento de Pedro Barreiro foi dada pelo jornal O Mirante a 31 de outubro, citando o próprio presidente da Câmara: "O autarca pensou que iria ouvir um pedido de desculpa ou um pedido de demissão, mas o jovem abordou apenas questões relacionadas com o TSB. "Não fez uma coisa nem outra", disse Ricardo Gonçalves a O Mirante, informando que não vai renovar-lhe a avença e que pretende "dar um novo rumo ao Teatro Sá da Bandeira".

Contactado pelo jornal nessa ocasião, o diretor do teatro dizia que não sabia ainda o que iria acontecer depois: "Todos os dados de que disponho me garantem que o executivo municipal está sobejamente satisfeito com o trabalho que tenho vindo a realizar no Teatro Sá da Bandeira", respondeu.

E sobre o facto de o presidente da Câmara não ter gostado das críticas que lhe tinha feito: "Não estou preso a nenhum tipo de disciplina de pensamento ou de expressão e até me custa a acreditar que possa estar a sugerir uma situação de delito de opinião num Estado democrático e no séc. XXI. Eu, como qualquer cidadão no exercício dos seus direitos e dos seus deveres, tenho toda a legitimidade para avaliar abertamente quem exerce funções de gestão pública."

Programação demasiado alternativa

Entretanto, a avença do diretor do Teatro Municipal Sá da Bandeira terminou a 30 de novembro e a programação estava assegurada até 16 de dezembro. Pedro Barreiro deixou o teatro mas a polémica continuou, nos jornais locais e nas redes sociais. O assunto voltou a ser debatido na reunião da Assembleia Municipal da passada segunda-feira, por iniciativa do vereador socialista João Catela. O presidente da autarquia Ricardo Gonçalves explicou que não houve demissão mas simplesmente a não renovação de uma avença, e reassumiu que a saída teve a ver com a intenção de mudar o rumo da política cultural do espaço que, em seu entender, não estava a resultar.

Inês Barroso afirmou nessa ocasião que o município está a confirmar "todos os dados" relativos à atividade do TSB durante 2017, apontando para uma afluência média de público da ordem dos 30% da capacidade da sala (203 lugares), faltando apurar quantos bilhetes foram pagos e quantos foram convites. Segundo os dados facultados pela vereadora, ao longo do ano de 2017 realizaram-se 30 espetáculos no TSB, com um custo total de 34 565 euros. "Tudo o que é cultura é investimento mas há que ter contenção nas despesas", assumiu a responsável, revelando que houve um espetáculo em que a venda de bilhetes se cifrou em 70 euros (14 bilhetes), sinónimo da falta de interesse que o mesmo suscitou no público.

Em declarações à agência Lusa, na passada terça-feira, Inês Barroso (que juntou o pelouro da Cultura aos da Educação e do Ambiente que já tutelava no anterior mandato) confirmou a sua avaliação bastante negativa da atividade do teatro municipal, considerando que, além dos números, com uma afluência e uma receita aquém do que considera desejável, também a orientação seguida por Pedro Barreiro não cumpria duas premissas no seu entender essenciais para aquele espaço: servir a população escolar e ter uma programação que sirva vários públicos. "Também é importante ter espetáculos contemporâneos, mas não podemos ter tudo do mesmo, sobretudo quando ainda não existe maturidade do público", disse a vereadora.

Ouvido pela Lusa, Pedro Barreiro afirmou que esta declaração "revela ignorância em relação ao que aconteceu nos últimos três anos" no TSB, lamentando que nem a vereadora nem o presidente da Câmara, Ricardo Gonçalves, tenham seguido a programação do teatro. "Nunca os vi assistirem a um espetáculo. Bastava que tivessem seguido a programação para verem que foi mais do que diversificada - desde dança, teatro, performances, música -, dos mais diversos géneros e abordagens", disse.

E a prová-lo publicou na sua página de Facebook, uma lista com alguns dos espetáculos apresentados naquele teatro nos últimos três anos, onde se encontram nomes como o dos coreógrafos João dos Santos Martins, Vera Mantero, Sónia Baptista, João Fiadeiro, São Castro e António Cabrita, os encenadores Rui Catalão e Rogério Nuno Costa, os coletivos Terceira Pessoa, Teatro do Vestido, Rabbit Hole e Circolando, os músicos Irmãos Catita ou Luís Severo.

Pedro Barreiro afirmou que também a declaração sobre a vertente educativa revela "desconhecimento" das várias tentativas que fez para a criação de um serviço educativo, para o qual o município "nunca deu condições". E críticou ainda a "equipa reduzida" e o "orçamento ridículo" que teve à sua disposição, com muitos grupos a aceitarem atuar sem 'cachet', apenas com a receita de bilheteira.

Pedro Barreiro disse recear que, depois do mandato de uma vereadora (Susana Pita Soares) aberta a uma "programação plural", se siga um período de "muito pouca exigência e de embrutecimento, com uma programação para massas e com eventos à imagem do Reino do Natal", seguindo "políticas eleitoralistas" e não de serviço público.

Neste momento, o teatro tem apenas uma programação de cinema. Sobre o futuro, na reunião camarária, a vereadora Inês Barroso tinha já adiantado que a programação do teatro "irá apostar em atividades para as escolas do concelho, e em espetáculos que agradem às massas". À Lusa, acrescentou que está a avaliar se o concurso para diretor do TSB, aberto no final do anterior mandato - a que terão concorrido perto de uma centena de candidatos, entre os quais Pedro Barreiro - se mantém ou não, tanto porque a lei que permite a integração de precários pode resolver a situação das pessoas que estavam a recibo verde, como porque está em análise a pertinência da existência de um diretor para cada espaço cultural da cidade ou a opção por uma gestão conjunta.