"Ainda estou a recuperar". Antestreia não desiludiu os fãs

O filme foi marcado pelos aplausos espontâneos da plateia. "Chorei como uma menina", confessou um fã. Veja o vídeo

A sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge tem 870 lugares, todos preenchidos para a antestreia do filme mais aguardado do ano, O Despertar da Força. O sétimo filme da saga Star Wars, lançado após uma campanha de marketing que guardou grande segredo acerca dos pormenores do enredo, atraiu fãs inveterados e personalidades da esfera pública para a antestreia, no Cinema São Jorge em Lisboa, esta quarta-feira.

O filme retoma a história, na mesma galáxia muito distante, 30 anos depois dos acontecimentos da chamada trilogia original - os três filmes que contam as aventuras de Luke Skywalker, Han Solo e Leia Organa. Foi em parte o regresso destes três atores, assim como de outras caras conhecidas da saga como R2D2, C3PO, ou mesmo Almirante Ackbar, que chamaram os fãs da velha guarda. "São as nossas recordações de quando éramos pequenininhos", disse ao DN o ator Quimbé, que dá voz ao icónico Yoda na dobragem para português da série de animação Star Wars Rebels. "Voltarmos a vê-los já bem mais velhos é muito giro".

Essa nostalgia marcou a sessão, que foi interrompida repetidamente pelos aplausos do público quando surgiam velhos conhecidos, incluindo mesmo a nave Millenium Falcon. No final, o fã Daniel Roberto, vestido a rigor com traje de Jedi e sabre de luz, não tinha palavras. "Ainda estou a recuperar", afirmou ao DN. "Chorei como uma menina, como um bebé ranhoso". O amigo, Tiago Filipe, ajudou-o a expressar-se: "Foi fantástico". Questionados sobre se o filme tinha a mesma magia dos seis precedentes, não hesitaram: "Ai, se não tem!"

A sessão contou com a presença dos membros portugueses da 501st Legion, um clube de fãs dedicado ao Star Wars com um objetivo solidário. João Carreira, fundador do braço português daquele que detém o recorde do Guinness de maior clube de fãs do mundo, explicou que as aparições dos membros do grupo - alguns dos quais vestem dos pés à cabeça em armadura de Stormtrooper - têm o objetivo de colaborar com grupos de apoio a crianças e famílias de crianças com leucemia. "O objetivo é usar o nosso tempo livre de uma forma que faça uma diferença para alguém", contou ao DN.

O filme foi antecedido por uma atuação da Orquestra Sinfonietta de Lisboa, com o tema mais conhecido da saga Star Wars, composto por John Williams.

O Despertar da Força estreia em todo o país esta quinta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.