Agente confirma morte do músico norte-americano Tom Petty

O músico norte-americano Tom Petty, que tinha sido hospitalizado depois de sofrer um ataque cardíaco, morreu na segunda-feira aos 66 anos, informou o seu agente, citado pelas agências noticiosas internacionais.

"Em nome da família de Tom Petty, estamos devastados ao anunciar a morte prematura do nosso pai, marido, irmão, líder e amigo Tom Petty", disse, em comunicado, o agente Tony Dimitriades.

O representante do músico disse que Tom Petty morreu rodeado de amigos, familiares e companheiros da banda The Heartbreakers, depois de ter sofrido um ataque cardíaco na sua casa em Malibu.

A informação surge horas depois de os meios de comunicação social terem anulado notícias não confirmadas sobre a morte do músico, autor de êxitos como "Free Falin", "Refugee" e "American Girl".

Tom Petty era uma figura conhecida do rock norte-americano e estava em digressão este ano para assinalar os 40 anos de carreira com a banda que habitualmente o acompanhava, The Heartbreakers.

A morte de Tom Petty tinha sido anunciada na noite de segunda-feira pelo canal de televisão norte-americano CBS, mas a Polícia de Los Angeles esclareceu posteriormente que não tinha informações que confirmassem a morte do músico.

Segundo o portal TMZ, o músico estava inconsciente e sem respirar quando foi encontrado, mas os serviços de emergência conseguiram reanimá-lo, tendo sido transportado para o hospital da UCLA de Santa Mónica, no estado norte-americano da Califórnia.

Recorde alguns dos êxitos de Tom Petty

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.