Adília Lopes homenageada pela Companhia Nacional de Bailado

A poetisa, cuja obra deu o mote à atual programação da Companhia Nacional de Bailado (CNB), vai ser homenageada no sábado, no Teatro Camões, em Lisboa, com dança e poesia.

Adília Lopes vai estar no centro de uma sessão organizada pela Companhia Nacional de Bailado (CNB) no sábado, no Teatro Camões, em Lisboa, com dança e poesia.

De acordo com a CNB, a homenagem acontecerá durante uma "maratona de improvisação e leituras", aberta ao público, a decorrer entre as 17:00 e as 19:00 de sábado.

Na temporada anterior, a direção artística da companhia tinha escolhido a escritora Sophia de Mello Breyner Andresen, cuja obra é uma das influências assumidas por Adília Lopes, poetisa, cronista e tradutora, nascida a 20 de abril de 1960, em Lisboa.

Adília Lopes lançou o primeiro livro em 1985, Um jogo bastante perigoso, seguido de O poeta de Pondichéry e A pão e água de Colónia, e, em 2009, a editora Assirio & Alvim reuniu parte da sua obra em Dobra, reeditada em 2014.

O seu trabalho também foi usado no teatro, tendo a companhia Sensurround, da atriz e encenadora Lúcia Sigalho, criado um espetáculo baseado em textos da poetisa, intitulado A Birra da Viva.

A poesia de Adília Lopes tem sido traduzida para diversas línguas, nomeadamente italiano, francês, holandês, castelhano, entre outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.