Adaptação de "Mataram a Cotovia" processada

Os detentores dos diretos do livro "Mataram a Cotovia", de Harper Lee, processou os produtores que estão a adaptar o romance para a Broadway. Alegam que se afasta demasiado do original.

Aaron Sorkin, autor da adaptação do romance Mataram a Cotovia para a Broadway, ter-se-á afastado demasiado do texto original sobre as relações raciais no sul dos EUA durante a Depressão, de acordo com os detentores dos direitos da obra. É este o motivo do processo judicial contra a produção da peça que chegou na terça-feira ao tribunal de Alabama.

O juiz terá de decidir se o guião escrito por Aaron Sorkin (autor do filme A Rede Social e da série de televisão West Wing, entre outros) para o produtor Scott Rudin se afasta demasiado do romance de 1960 e tem de alterar as personagens.

Nos fundamentos do processo, a representante legal do fundo que gere os direitos Mataram a Cotovia alega que várias personagens foram alteradas, nomeadamente o protagonista Atticus Finch, inicialmente retratado como sendo ingénuo em relação ao racismo.

Outra das críticas, de acordo com a Reuters, tem a ver com a forma como é descrito o local onde se passa a história de Harper Lee. Tonja B. Carter, a advogada, alega que "não apresenta um retrato correto de uma cidade pequena do Alabama nos anos 30", aproximando-a do clima que se vive hoje.

Em resposta, numa carta enviada aos detentores dos direitos de Mataram a Cotovia, a produtora liderada por Scott Rudin, Rudinplay Inc, disse a decisão final sobre o guião da peça é da sua companhia e não do fundo que gere os direitos.

Scott Rudin diz que adaptação não se afasta do espírito original, como foi acordado entre a sua produtora e os detentores dos direitos."Não posso e não apresentarei uma peça que pareça que foi escrita no ano em que o livro foi escrito em matéria de políticas raciais: não teria interesse. O mundo mudou desde então", disse o produtor numa entrevista citada pelo New York Times

A peça tem antestreia prevista para 1 de novembro, em Nova Iorque, e começa a sua carreira no dia 1 de dezembro. É uma produção da Rudinplay Inc e do Lincoln Center Theater. O ator Jeff Daniels interpretará Atticus Finch, o advogado que defende um homem negro contra uma falsa acusação de violação.

O livro, publicado em 1960, vencedor de um prémio Pulitzer em 1961 e adaptado ao cinema em 1962, é um dos mais lidos, e elogiados, da literatura anglo-saxónica. Em Portugal é editado pela Relógio d' Água.

Em 2015 foi publicado o livro Go Set a Watchman, um manuscrito anterior a Mataram a Cotovia.

Harper Lee morreu em 2016, aos 89 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.