Abrigos para refugiados têm o melhor design do ano

Já foram distribuídas mais de 30 mil destas tendas para refugiados desenvolvidas pela IKEA em colaboração com a ONU

O abrigo para refugiados desenvolvido pela Fundação IKEA e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados ganhou o prémio de melhor design de 2016 e melhor design de arquitetura, atribuídos pelo museu do design Beazley, em Londres.

Num ano uma vez mais tragicamente marcado pela crise dos refugiados - com as Nações Unidos a estimar em 67 milhões as pessoas que se encontram refugiadas ou que requerem asilo -, estes abrigos já chegaram a milhares de pessoas. Desenvolvido em 2015 na Suíça, o Better Shelter (Melhor Abrigo, em tradução literal) tinha por objetivo provar que o design sustentável poderia fazer a diferença na ajuda humanitária e ser a casa de quem está fora de casa na sequência de conflitos ou desastres naturais.

O abrigo é muito parecido com uma casa, mas é amovível, feita de material resistente, tem energia solar, ventilação, chão, portas e janelas, é resistente ao fogo e tem capacidade para cinco pessoas

De acordo com o site oficial do produto bastam quatro pessoas e entre quatro e oito horas para montar o abrigo, com 17 metros quadrados. Pesa 169 quilos, mas vem em duas caixas, com todas as peças e ferramentas necessárias à instalação.

Entre os 70 projetos nomeados para os prémios de design do museu Beazley - os quais estão patentes no Museu do Design de Londres até 19 de fevereiro - o Better Shelter foi aquele que melhor correspondeu aos critérios para encontrar o vencedor: promover a mudança, captar o espírito do ano, melhorar as acessibilidades e ter um design inovador. O abrigo venceu na categoria de arquitetura e no prémio geral.

Entre os nomeados para estes prémios encontravam-se um livro bebível, capaz de purificar a água e assim reduzir doenças, ténis feitos com plástico retirado dos oceanos, um capacete para bicicleta com iluminação própria ou um sistema para avaliar os edifícios ao nível da segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.