Abrigos para refugiados têm o melhor design do ano

Já foram distribuídas mais de 30 mil destas tendas para refugiados desenvolvidas pela IKEA em colaboração com a ONU

O abrigo para refugiados desenvolvido pela Fundação IKEA e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados ganhou o prémio de melhor design de 2016 e melhor design de arquitetura, atribuídos pelo museu do design Beazley, em Londres.

Num ano uma vez mais tragicamente marcado pela crise dos refugiados - com as Nações Unidos a estimar em 67 milhões as pessoas que se encontram refugiadas ou que requerem asilo -, estes abrigos já chegaram a milhares de pessoas. Desenvolvido em 2015 na Suíça, o Better Shelter (Melhor Abrigo, em tradução literal) tinha por objetivo provar que o design sustentável poderia fazer a diferença na ajuda humanitária e ser a casa de quem está fora de casa na sequência de conflitos ou desastres naturais.

O abrigo é muito parecido com uma casa, mas é amovível, feita de material resistente, tem energia solar, ventilação, chão, portas e janelas, é resistente ao fogo e tem capacidade para cinco pessoas

De acordo com o site oficial do produto bastam quatro pessoas e entre quatro e oito horas para montar o abrigo, com 17 metros quadrados. Pesa 169 quilos, mas vem em duas caixas, com todas as peças e ferramentas necessárias à instalação.

Entre os 70 projetos nomeados para os prémios de design do museu Beazley - os quais estão patentes no Museu do Design de Londres até 19 de fevereiro - o Better Shelter foi aquele que melhor correspondeu aos critérios para encontrar o vencedor: promover a mudança, captar o espírito do ano, melhorar as acessibilidades e ter um design inovador. O abrigo venceu na categoria de arquitetura e no prémio geral.

Entre os nomeados para estes prémios encontravam-se um livro bebível, capaz de purificar a água e assim reduzir doenças, ténis feitos com plástico retirado dos oceanos, um capacete para bicicleta com iluminação própria ou um sistema para avaliar os edifícios ao nível da segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.