A tremenda aclamação do musical "La La Land"

Ryan Gosling e Emma Stone, protagonistas do filme de Damien Chazelle, foram o centro das atenções após a gala do festival de Toronto.

Nos últimos anos, quem frequenta o Festival de Toronto percebe logo quando um filme, a seguir à gala, se torna num caso de popularidade. O ano passado testemunhámos a euforia em torno da sessão de Quarto, de Lenny Abrahamson e, antes, em 2013, Sete Anos Escravo, de Steve McQueen, conseguia uma ovação interminável. Mas o que se passou em torno da sessão de gala no Princess Wales com a projeção de La La Land, o musical de Damien Chazelle, foi único. Uma plateia em delírio, palmas a meio dos números musicais e uma ovação interminável com atores e público num pranto de lágrimas.

Triunfo num festival é isso e além de se adivinhar o Prémio do Público, La La Land ganha em Toronto o chamado impulso final para os Óscares. Neste momento é o filme favorito à temporada dos prémios ( o prémio de melhor atriz em Veneza para Emma Stone também ajudou). Não é exagero da imprensa aqui presente, é justo: está aqui possivelmente o filme do ano.

Situado numa Los Angeles contemporânea, esta é a história de um romance mágico entre um pianista de jazz que sonha abrir um clube de jazz e uma aspirante atriz. Mais do que um musical, é um filme na terra do cinema. Chazelle não cria coreografias, cria sonhos delirantes de cinema.

Ryan Gosling e Emma Stone, em Toronto

Anteontem, no Q&A [questions & answers] a seguir à estreia, o realizador confessou que a sua referência é Jacques Demy mas quis dar um toque dos dias de hoje: "quis colocar alguma sujidade".

Em Portugal, o casal Emma Stone e Ryan Gosling vai dançar, cantar e voar a partir de meados de dezembro.

Em Toronto

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.