A tremenda aclamação do musical "La La Land"

Ryan Gosling e Emma Stone, protagonistas do filme de Damien Chazelle, foram o centro das atenções após a gala do festival de Toronto.

Nos últimos anos, quem frequenta o Festival de Toronto percebe logo quando um filme, a seguir à gala, se torna num caso de popularidade. O ano passado testemunhámos a euforia em torno da sessão de Quarto, de Lenny Abrahamson e, antes, em 2013, Sete Anos Escravo, de Steve McQueen, conseguia uma ovação interminável. Mas o que se passou em torno da sessão de gala no Princess Wales com a projeção de La La Land, o musical de Damien Chazelle, foi único. Uma plateia em delírio, palmas a meio dos números musicais e uma ovação interminável com atores e público num pranto de lágrimas.

Triunfo num festival é isso e além de se adivinhar o Prémio do Público, La La Land ganha em Toronto o chamado impulso final para os Óscares. Neste momento é o filme favorito à temporada dos prémios ( o prémio de melhor atriz em Veneza para Emma Stone também ajudou). Não é exagero da imprensa aqui presente, é justo: está aqui possivelmente o filme do ano.

Situado numa Los Angeles contemporânea, esta é a história de um romance mágico entre um pianista de jazz que sonha abrir um clube de jazz e uma aspirante atriz. Mais do que um musical, é um filme na terra do cinema. Chazelle não cria coreografias, cria sonhos delirantes de cinema.

Ryan Gosling e Emma Stone, em Toronto

Anteontem, no Q&A [questions & answers] a seguir à estreia, o realizador confessou que a sua referência é Jacques Demy mas quis dar um toque dos dias de hoje: "quis colocar alguma sujidade".

Em Portugal, o casal Emma Stone e Ryan Gosling vai dançar, cantar e voar a partir de meados de dezembro.

Em Toronto

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.