A segunda vida dos romances passa pela banda desenhada

Passar Camus e Saramago a desenho não é um desafio fácil, tal como refazer a vida de Bertrand Russel numa novela gráfica.

Que leitor não inventou na sua cabeça um cenário inspirado numa aventura entre as personagens de um romance que gostou muito de ler... Mesmo que as páginas escritas de um livro não permitam ir além da imaginação, no entanto se o livro for transposto para banda desenhada pode ser que o leitor concretize essa vontade de saber e ver como seria. É o caso de dois "clássicos" que chegam esta semana às livrarias: O Estrangeiro, de Albert Camus, e A Viagem do Elefante, de José Saramago.

O narrador, José Saramago, surge na história desenhada por João Amaral

Uma recriação gráfica que permite uma segunda vida aos dois romances, como espera que venha a acontecer o autor da adaptação da obra do escritor português, João Amaral: "Se conseguir leitores que gostam da adaptação e fiquem curiosos sobre o original já estou satisfeito porque cumpri a missão."

O rebelde protagonista de Albert Camus opõe-se ao regime judicial e ganha o rosto que não possuía

Se dúvidas houvesse, dá como exemplo a experiência anterior com o livro A Voz dos Deuses, de João Aguiar, em que ouviu várias reações nesse sentido.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN
Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.