À procura da comédia italiana

QUO VADO OU JÁ FOSTE!, Gennaro Nunziante

Ah! Que saudades da época gloriosa da comédia italiana, quando Totò, Vittorio Gassman ou Nino Manfredi eram os rostos de um estilo de abordagem da vida social em que a caricatura mais delirante não excluía uma componente de desencantado, por vezes comovente, humanismo...

Este Quo Vado? (o título português aposta num trocadilho sugestivo, mas não muito feliz) possui, pelo menos, o mérito de nos remeter para essas memórias, centrando-se na insólita e burlesca figura de um funcionário público (Checco Zalone, que partilha com o realizador a autoria do argumento); confrontado com a nova austeridade, quer dizer, com a possibilidade de perder o seu emprego "para a vida", tudo fará para se manter um fiel servidor do Estado... Com felicidade desigual, o filme vai coleccionando situações que exploram clichés da vida social e profissional, celebrando uma alegre rejeição da frieza burocrática.

Grande sucesso em Itália, é a prova de que, mesmo com resultados medianos, vale a pena evocar o património cinematográfico.

Classificação: ** Com interesse

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?