À procura da comédia italiana

QUO VADO OU JÁ FOSTE!, Gennaro Nunziante

Ah! Que saudades da época gloriosa da comédia italiana, quando Totò, Vittorio Gassman ou Nino Manfredi eram os rostos de um estilo de abordagem da vida social em que a caricatura mais delirante não excluía uma componente de desencantado, por vezes comovente, humanismo...

Este Quo Vado? (o título português aposta num trocadilho sugestivo, mas não muito feliz) possui, pelo menos, o mérito de nos remeter para essas memórias, centrando-se na insólita e burlesca figura de um funcionário público (Checco Zalone, que partilha com o realizador a autoria do argumento); confrontado com a nova austeridade, quer dizer, com a possibilidade de perder o seu emprego "para a vida", tudo fará para se manter um fiel servidor do Estado... Com felicidade desigual, o filme vai coleccionando situações que exploram clichés da vida social e profissional, celebrando uma alegre rejeição da frieza burocrática.

Grande sucesso em Itália, é a prova de que, mesmo com resultados medianos, vale a pena evocar o património cinematográfico.

Classificação: ** Com interesse

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.