À procura da comédia italiana

QUO VADO OU JÁ FOSTE!, Gennaro Nunziante

Ah! Que saudades da época gloriosa da comédia italiana, quando Totò, Vittorio Gassman ou Nino Manfredi eram os rostos de um estilo de abordagem da vida social em que a caricatura mais delirante não excluía uma componente de desencantado, por vezes comovente, humanismo...

Este Quo Vado? (o título português aposta num trocadilho sugestivo, mas não muito feliz) possui, pelo menos, o mérito de nos remeter para essas memórias, centrando-se na insólita e burlesca figura de um funcionário público (Checco Zalone, que partilha com o realizador a autoria do argumento); confrontado com a nova austeridade, quer dizer, com a possibilidade de perder o seu emprego "para a vida", tudo fará para se manter um fiel servidor do Estado... Com felicidade desigual, o filme vai coleccionando situações que exploram clichés da vida social e profissional, celebrando uma alegre rejeição da frieza burocrática.

Grande sucesso em Itália, é a prova de que, mesmo com resultados medianos, vale a pena evocar o património cinematográfico.

Classificação: ** Com interesse

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.