Ozu e o cinema que nos conforta

Primavera Tardia, do japonês Yasujiro Ozu, está em exibição em Lisboa e no Porto, numa cópia restaurada.

Regressar ao cinema de Ozu é regressar a casa. Deixar os sapatos à porta. Beber chá ou saké. Abandonarmo-nos à terapia dos seus enquadramentos geométricos, que convidam a entrar na paz doméstica. Por outras palavras, é ser-se tomado pelo conforto e harmonia que contagiam a própria experiência na sala escura. Primavera Tardia (1949) está em reposição até 4 de julho, no Espaço Nimas, em Lisboa, e no Teatro Campo Alegre, no Porto, numa cópia digital restaurada. Foi o título que batizou um extenso ciclo dedicado à cinematografia japonesa, agora chegado à reta final (com ainda outro filme a encerrar o programa: Contos Cruéis da Juventude, de Nagisa Oshima).

Primavera Tardia, cuja narrativa suave transporta o espectador na beleza da postura quotidiana, é uma das obras da última fase do mestre nipónico. Passamos por ela - em consonância com o título - como quem passa pelo crepúsculo de uma estação do ano. Yasujiro Ozu (1903-1963), sabemos, foi o cineasta da família: esta enquanto imagem de estabilidade, que o tempo torna efémera. E é sobre isso que o filme se inclina. A saber, o modo como a ordem natural das coisas, a certa altura, quebra um regime de equilíbrio e felicidade. Falamos de uma jovem mulher (Setsuko Hara, atriz musa de Ozu), já a transpor o limite da idade certa para casar, que ignora esse desejo do matrimónio, habituada que está a viver com o pai viúvo. Sente-se bem assim, a olhar pelo seu velho. No entanto, quando ele se apercebe de que está a impedir o curso normal da vida da filha, faz os possíveis para que esta ceda ao "arranjinho" que a tia providenciou... Nada disto, entenda-se, se traduz em alarido dramático. O cineasta de Viagem a Tóquio é tão perfeccionista nos enquadramentos quanto recatado nas emoções. A angústia das personagens expõe-se através de uma delicadeza insuperável, e assenta apenas nestas ruturas da experiência humana. Há uma tranquilidade que impera e uma sabedoria oriental que depura as relações. Não por acaso, na altura da estreia no Japão, Primavera Tardia foi considerado pela crítica como o filme mais profundamente japonês alguma vez realizado.

A grande certeza é esta: com uma simplicidade requintadíssima, Ozu extraiu como ninguém a melancolia das formas - que tanto se vê numa chaleira como na copa de uma árvore - e alcançou o mais alto grau de perfeição

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.