E se nos últimos 70 anos esta peça de Gershwin tivesse sido mal tocada?

An American in Paris, poema sinfónico de jazz adaptado à Broadway e ao cinema pode ter sido mal tocado. O motivo? Uma confusão na forma como devem soar as buzinas de táxi na música

George Gershwin compôs An American in Paris (Um Americano em Paris) depois de visitar a capital francesa em 1928. Agora, o musicólogo Mark Clague, da universidade americana do Michigan, que está a trabalhar numa edição crítica da obra musical dos irmãos George e Ira Gershwin, sugere que, nos últimos 70 anos, as orquestras têm tocado de forma incorreta aquele poema sinfónico do jazz.

Em causa não está uma interpretação errada de toda a peça que viria a ser adaptada a um musical da Broadway ou ao homónimo clássico do cinema, assinado por Vincente Minnelli e protagonizado por Gene Kelly. O problema de leitura estará apenas nas buzinas de táxis de Paris que se ouvem na música.

Quando Clague analisou a partitura original de Gershwin e as gravações mais antigas que se conhecem da peça, percebeu que a anotação do compositor americano poderá ter causado confusão.

As buzinas de táxis aparecem assinaladas com as letras A, B, C e D. Todavia, Gershwin não terá esclarecido se estas correspondiam às notas musicais Lá, Si, Dó, Ré ( A, B, C e D na notação inglesa), como foram interpretadas pelo menos desde 1945, na gravação da NBC Symphony Orchestram conduzida por Arturo Toscanini.

A nova edição crítica vem afirmar que aquelas letras não diziam que notas tocar, mas em que ordem tocavam as buzinas que representam a paisagem urbana de Paris vista por um americano. O académico do Michigan evoca uma gravação da Victor Symphony Orchestra, em 1929, supervisionada pelo próprio Gershwin, em que a interpretação é conforme à sua tese.

Recorde o clássico de Vincente Minnelli:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).