A outra gafe: artista homenageada no In Memoriam está viva

"Fiquei devastada pelo uso da minha imagem no lugar da minha grande amiga", disse

Foi com surpresa que a australiana Jan Chapman viu a sua fotografia ser utilizada no "In Memoriam" deste ano nos Óscares, a homenagem aos artistas que morreram no ano que passou. Uma imagem da produtora foi usada por engano na montagem, ao lado do nome de Janet Patterson, que morreu em outubro passado.

Chapman, que está viva e que era amiga de Patterson, ficou "devastada" com o erro.

"Fiquei devastada pelo uso da minha imagem no lugar da minha grande amiga e colaboradora de longa data Janet Patterson", disse Chapman, em comunicado enviado à Variety. "Janet era linda e foi nomeada por quatro vezes aos Óscares e é muito triste que o erro não tenha sido apanhado. Eu estou viva e bem e continuo a trabalhar como produtora".

Patterson trabalhou em filmes como "Retrato de Uma Senhora", "Oscar e Lucinda" e "O Piano".

Apesar de importante, esta esteve longe de ser a gafe mais visível da noite, que ficou marcada pela confusão na entrega do Óscar de Melhor Filme a La La Land, por engano - minutos depois o erro foi corrigido e o prémio foi para Moonlight.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?