Richard Zimler conta como foi perseguido na Feira do Livro

O escritor Richard Zimler recorda o que lhe aconteceu na Feira do Livro de Lisboa em 2006, a primeira a que foi dar autógrafos.

Em Maio de 2006, o meu romance "Goa ou o guardião da aurora" saiu. Logo a seguir, fui convidado por um dos telejornais para falar do livro. Foi na véspera da minha primeira sessão na Feira do Livro de Lisboa. Muita gente viu o programa e apareceu no dia seguinte para obter o meu autógrafo. Daí, tinha uma fila longa quase toda a tarde. Fiquei grato, claro. Mas num determinado momento, uma senhora já de uma certa idade, pequena, desmazelada, pôs-se atras de mim, a uma distância de 10 metros, e começou a gritar numa voz áspera e vingativa: "Zimler não é judeu, é Nazi! Zimler não é judeu, é Nazi!" Fiquei chocado e preocupado, pois ficou claro que não regulava bem. Vi-me obrigado a virar para ela constantemente para ter a certeza que não me ia atacar. Sempre que olhava para ela começava a subir o volume dos seus gritos. Foi horrível. E ninguém me ajudou. A polícia nunca apareceu. Passados 20 minutos, foi se embora. Mais tarde, soube que escolheu o Saramago como a sua próxima vítima.

O livro que eu queria encontrar na Feira: Minha Antonia de Willa Cather

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.