Richard Zimler conta como foi perseguido na Feira do Livro

O escritor Richard Zimler recorda o que lhe aconteceu na Feira do Livro de Lisboa em 2006, a primeira a que foi dar autógrafos.

Em Maio de 2006, o meu romance "Goa ou o guardião da aurora" saiu. Logo a seguir, fui convidado por um dos telejornais para falar do livro. Foi na véspera da minha primeira sessão na Feira do Livro de Lisboa. Muita gente viu o programa e apareceu no dia seguinte para obter o meu autógrafo. Daí, tinha uma fila longa quase toda a tarde. Fiquei grato, claro. Mas num determinado momento, uma senhora já de uma certa idade, pequena, desmazelada, pôs-se atras de mim, a uma distância de 10 metros, e começou a gritar numa voz áspera e vingativa: "Zimler não é judeu, é Nazi! Zimler não é judeu, é Nazi!" Fiquei chocado e preocupado, pois ficou claro que não regulava bem. Vi-me obrigado a virar para ela constantemente para ter a certeza que não me ia atacar. Sempre que olhava para ela começava a subir o volume dos seus gritos. Foi horrível. E ninguém me ajudou. A polícia nunca apareceu. Passados 20 minutos, foi se embora. Mais tarde, soube que escolheu o Saramago como a sua próxima vítima.

O livro que eu queria encontrar na Feira: Minha Antonia de Willa Cather

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).