"A fábrica de nada" vence principal prémio de Festival de Cinema Europeu de Sevilha

O filme português "A fábrica de nada", de Pedro Pinho, ganhou hoje o principal prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha, o Giraldillo de Oro, para o melhor filme.

O júri da secção oficial destacou a reflexão que o filme mostra sobre alguns factos relacionados com a crise económica vivida em muitos países europeus. A longa-metragem narra as vicissitudes de um grupo de trabalhadores que continua a ir para a sua empresa depois dos proprietários a terem abandonado.

O realizador, presente na leitura do palmarés, foi muito aplaudido na sala e agradeceu o prémio, que receberá na gala de encerramento do festival hoje à noite.

A fábrica de nada estreou-se em maio no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em junho, em Munique, para melhor novo filme. Foi igualmente distinguido nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e selecionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém.

O prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha para o melhor realizador foi para o francês Mathieu Amairic por Barbara, enquanto o grande prémio do júri foi para Western, da alemã Valeska Grisebach.

Zama, de Lucrecia Martel, uma co-produção luso-argentina, recebeu uma menção especial do júri e Thierry de Peretti recebeu o prémio de melhor argumento com A Violent life.

Selene Caramazza, por Corazón Puro, e Pio Amato, por A Ciambra, ganharam os galardões de melhor atriz e ator, respetivamente.

Sete produções ou coproduções portuguesas estiveram em competição neste festival, que tem por objetivo promover o cinema de produção europeia.

Foram ainda homenageados António Reis e Margarida Cordeiro, "duas lendas do cinema português", com a retrospetiva "Lejos de las Leyes", que decorreu ao longo de todo o certame, e encerra hoje com a projeção de "Mudar de Vida", de Paulo Rocha (filme escrito em parceria com António Reis).

Fora de competição é também exibido hoje O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues, distinguido com o prémio de melhore realização em Locarno, em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.